Teerã, 24 abr (EFE).- O Irã garantiu que os dois cidadãos de seu país detidos na Itália por tráfico de armas são inocentes e afirmou que sua detenção obedece a uma manobra de Washington para atrapalhar as relações entre Teerã e Roma.

Em declarações reproduzidas pela televisão estatal iraniana em inglês, o porta-voz do Ministério de Assuntos Exteriores do país, Ramin Mehmanparast, exigiu as libertações.

Os dois acusados, identificados como Ali Damirchilou, e Hamid Masouminejad, este último correspondente da televisão estatal iraniana em Roma, foram detidos no início de março junto a outras seis pessoas.

"As alegações contra Masouminejad não têm fundamento. É um profissional do jornalismo. Parece que a verdadeira razão de sua detenção é pressionar todos os jornalistas iranianos que trabalham no mundo", afirmou.

"Acreditamos que faz parte da guerra psicológica que os Estados Unidos empreenderam de forma totalmente inútil. Sempre tivemos firmes relações com a Itália", acrescentou.

Na quarta-feira, o Parlamento iraniano convocou o embaixador da Itália em Teerã, Alberto Bradanini, para pedir explicações sobre a situação dos detidos.

Segundo relataram fontes diplomáticas italianas à agência Efe, a posição de seu Governo é que se trata de um assunto que compete à Justiça de seu país. EFE jm/fm

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.