Investimentos básicos poderiam salvar 3,5 milhões de vidas ao ano, diz OMS

Genebra - Aproximadamente 3,5 milhões de vidas poderiam ser salvas a cada ano no mundo apenas com investimentos muito básicos para melhorar o saneamento e o acesso à água potável, segundo um relatório divulgado hoje pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

EFE |

"Calculamos que pelo menos 10% das mortes por ano causadas por doenças provocadas pela falta de água, saneamento e higiene poderiam ser evitadas se houvesse acesso a estes serviços", disse à Agência Efe Maria Neira, diretora de Saúde Pública e Meio ambiente da OMS, ao comentar o relatório.

"Nos 32 países onde a situação é mais dramática, ações muitos simples como a instalação de latrinas poderiam ter grandes repercussões na saúde pública", assinalou.

Os benefícios não seriam apenas para a saúde global, mas também de caráter econômico, segundo a funcionária da OMS.

"As agências e organismos de cooperação poderiam economizar US$ 7 bilhões por ano caso fosse assegurado o acesso à água potável", afirmou.

"Por isso, a OMS insiste mais uma vez na necessidade de que se invista, mesmo que de maneira básica, porque isso daria um retorno impressionante à saúde pública", disse Neira.

Um dos chamados Objetivos do Milênio é reduzir pela metade a proporção de pessoas sem acesso à água potável e ao saneamento básico.

A OMS estima que com pequenos investimentos seria possível evitar a cada ano 1,4 milhão de mortes de crianças por diarréias, 860 mil mortes de jovens por desnutrição e 500 mil por malária, além de 2 bilhões de infecções intestinais.

Leia mais sobre: OMS

    Leia tudo sobre: omssaúde

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG