Investigador da ONU vê indícios de crimes de guerra em Gaza

GENEBRA - Há indícios de que Israel cometeu crimes de guerra durante os 22 dias de ofensiva na Faixa de Gaza, segundo o investigador da ONU Richard Falk. Ele afirmou, nesta quinta-feira, que deveria haver um inquérito independente sobre o assunto.

Reuters |


A angústia vivida pelos civis é tamanha que toda a população deve ser considerada vítima, disse Falk, relator especial da ONU para os direitos humanos na Cisjordânia e na Faixa de Gaza.

Falando por telefone da sua casa, na Califórnia, Falk disse haver fortes sinais de que as ações de Israel em Gaza violaram o direito humanitário internacional e que um inquérito independente deveria avaliar se houve efetivamente crimes de guerra.

"Acredito haver a suspeita 'prima facie' para chegar a tal conclusão", afirmou ele a jornalistas em Genebra. Segundo Falk, Israel não se esforçou para permitir que a população civil escapasse do conflito.

"Trancar as pessoas numa zona de guerra é algo que evoca o pior tipo de lembranças internacionais do Gueto de Varsóvia e de cercos que ocorrem não-intencionalmente durante um período de guerra", disse Falk, que é judeu.

"Poderia haver uma autorização temporária para que pelo menos crianças, inválidos e civis doentes partissem, mesmo se só lhe restasse o sul de Israel para ir", disse o professor norte-americano.

Reuters
Homem palestino é visto próximo a escombros na Faixa de Gaza

Homem palestino é visto próximo a escombros na Faixa de Gaza


De acordo com ele, essa situação provocou traumas em toda a população. Sendo assim, disse ele, a definição de vítima deveria ser estendida a todos os moradores da Faixa de Gaza.

Duas semanas antes do início da ofensiva, Israel negou visto a Falk, que rejeita a tese israelense de que a ofensiva serviria para impedir o grupo islâmico Hamas de disparar foguetes contra o seu território.

"Na minha visão, a Carta da ONU e o direito internacional não dão a Israel o fundamento jurídico para alegar autodefesa", afirmou. Israel, segundo ele, não restringiu os ataques a áreas de onde eram feitos disparos, e se recusou a negociar com o Hamas, impedindo uma solução diplomática.

Cerca de 1.300 palestinos morreram nos confrontos, sendo cerca de 700 civis, segundo fontes médicas. No lado israelense, foram mortos 10 soldados e 3 civis.

Leia também:


Leia mais sobre Faixa de Gaza

    Leia tudo sobre: gaza

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG