Bagdá, 28 jul (EFE).- Pelo menos 15 pessoas ficaram feridas, três delas de gravemente, depois que a Polícia iraquiana invadiu o campo de refugiados Ashraf, dos Mujahedins do Povo do Irã, denunciou hoje esta organização.

Em declarações à imprensa, o porta-voz dos Mujahedins, Maghdi Karbani, disse que a entrada da Polícia no campo, localizado na província de Diyala e perto da fronteira com o Irã, deu início a um confronto entre as partes.

No campo de Ashraf, há cerca de 3,5 mil milicianos dos Mujahedins do Povo do Irã, grupo fundado em 1965.

A tropa de choque da Polícia local começou ontem a se preparar para invadir o campo por vários pontos. Hoje, os agentes enfrentaram centenas de iranianos que resistiam ao que chamavam de "bloqueio e violação de direitos humanos", segundo o porta-voz da milícia.

O envio de policiais ao campo aconteceu depois que o porta-voz do Governo iraquiano, Ali al-Dabbagh, anunciou que a Polícia nacional assumiria a segurança dentro do campo, em conformidade com os tratados de segurança assinados pelo Iraque e os Estados Unidos em dezembro do ano passado.

O campo de Ashraf, ao norte de Bagdá e a cerca de 80 quilômetros da fronteira com o Irã, passou a ser administrado pelos EUA após a invasão militar de 2003. No início deste ano, o espaço foi entregue às autoridades iraquianas.

Fontes da Polícia iraquiana afirmaram que o campo já se encontra sob o controle das autoridades nacionais e que não houve feridos na ação. EFE ah/sc

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.