Inundações na Tailândia atingem aeroporto de Bangcoc

Além de Dom Muang, utilizado como sede das operações de combate às enchentes, outras cinco áreas estão em alerta na capital

iG São Paulo |

As inundações na Tailândia atingiram nesta segunda-feira o aeroporto de Don Muang, um dos principais de Bangcoc, capital tailandesa, e sede do comando de operações de combate às enchentes, informou a rede CNN. De acordo com o governo do país, o comando deverá ser tranferido para outra localidade.

Reuters
Um homem carrega uma criança em meio à enchente em um subúrbio de Bangcoc, capital da Tailândia

Além de Don Muang, residentes de pelo menos outras cinco áreas devem se preparar para as inundações. O governador de Bangcoc, Sukhumbhand Paribata, pediu, em coletiva nesta segunda feira, que a população dessas localidades coloque seus pertences em locais altos, e se dirija para os centros de abrigo.

O ginásio da Universidade Thammasar, utilizado como um dos principais refúgios para os que foram obrigados a deixar suas casas, também está inundado e sem eletricidade, e terá de ser esvaziado, acrescentou o governador. Para remediar o problema, cerca de 4 mil tailandeses serão transportados de ônibus para o estádio de Rajamangala, no centro de Bangcoc, com a ajuda de 300 a 400 voluntários.

No leste, as áreas industriais de Lat Krabang e Bang Chan permanecem sob ameaça, e voluntários foram ao local para construir barreiras com sacos de areia. O governo pediu à população para não entrar em pânico e seguir estritamente as recomendações.

Em entrevista à CNN no domingo, a premiê Yingluck Shinawatra disse que autoridades estavam tentando controlar o nível da água usando barragens e diques para impedir estragos durante uma temporada de chuvas pesadas que surpreende a população.

De acordo com ela, proteger Bangcoc era prioridade, porque um estrago nessa área comprometeria o coração da economia tailandesa. "Mas não significa que não nos preocupemos com as pessoas que estão sofrendo com as inundações", acrescentou.

Enfrentando uma pressão pública e sendo criticada pela imprensa, Yingluck tentou descartar qualquer ideia de que seu governo não estava dando informações corretas, após uma série de declarações otimistas que entraram em conflito com as mais ameaçadoras de Sukhumbhand.

Esse conflito tem um tom político, uma vez que Sukhumbhand é um importante membro do opositor Partido Democrático, que saiu do poder com a vitória de Yingluck já algumas semanas. "Nós nunca escondemos nada do nosso povo. Nós informamos sobre cada decisão que tomamos", afirmou Yingluck nesta segunda.

A decisão de desviar a água através de canais em Bangcoc provocou inundações em subúrbios em partes da cidade, como Rangsit. Residentes saíram de suas casas inundadas em botes ou em objetos flutuantes, enfrentando as enchentes com pertences armazenados em sacos plásticos colocados na cabeça e animais de estimação presos em suas roupas.

O governo considera as enchentes a pior no país em meio século e disse que algumas áreas precisarão de mais de um mês para voltar à normalidade. As autoridades montaram mais de 1,7 mil abrigos pelo país, e mais de 113 mil residentes procuraram refúgio.

As enchentes já deixaram 356 mortos e cerca de 9 milhões de afetados, segundo autoridades. O prejuízo está estimado em US$ 6 bilhões, mas poderia ser dobrado caso Bangcoc fique embaixo d'água. Mais de 100 pacientes de hospitais em Bangcoc, incluindo o hospital da Universidade Thammasat, foram removidos no fim de semana para instalações regionais, disse o governo.

Com AP

    Leia tudo sobre: enchentetailândiapremiêshinawatrainundaçãobangcoc

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG