GENEBRA (Reuters) - Aproximadamente 180 pessoas morreram ou estão desaparecidas depois que chuvas torrenciais provocaram graves inundações no Iêmen, deixando mais de 10.000 desabrigadas, informaram agências das Nações Unidas na terça-feira. O Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (Acnur), que já estava no país trabalhando com refugiados e desabrigados que fugiram da Somália para o Iêmen através do golfo de Aden, informou que já está auxiliando iemenitas afetados pelo desastre.

Cerca de 2.000 residências, linhas de energia, estradas e linhas telefônicas foram destruídas e ou danificadas. O fornecimento de água também foi prejudicado, afirmou a Secretaria para a Coordenação de Assuntos Humanitários.

A vizinha Arábia Saudita prometeu ajudar as vítimas da inundação com 100 milhões de dólares, afirmou na terça-feira o presidente iemenita, Ali Abdullah Saleh, segundo a mídia local.

O Iêmen é um dos países mais pobres do mundo e seu governo está lutando contra uma rebelião no norte, contra agitações no sul e contra uma insurgência da al Qaeda, enquanto um número crescente de refugiados somalis aumenta a necessidade de recursos do país.

Situado no norte da península arábica, o Iêmen tem uma predisposição para inundações durante a temporada de chuva de monções.

(Reportagem de Jonathan Lynn)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.