Intruso que atacou chargista tem vínculos com milícia islâmica somali

Berlim, 2 jan (EFE).- O intruso que atacou na sexta-feira à noite o chargista Kurt Westergaard, conhecido por suas caricaturas de Maomé, tem vínculos com uma milícia islâmica somali e com a rede terrorista da Al Qaeda, informaram hoje os serviços secretos dinamarqueses (PET).

EFE |

O PET afirmou, em comunicado sobre o incidente, que o intruso, de ascendência somali e de 27 anos, tinha contatos com a milícia somali islâmica Al-Shabaab.

Além disso, as autoridades afirmaram que o somali pertence a uma célula islâmica que opera na Dinamarca e que estava sendo vigiada há algum tempo pela Polícia.

A Justiça dinamarquesa acusará de tentativa de assassinato o homem que ontem à noite tentou atacar Westergaard, informou hoje a Polícia.

Fontes policiais disseram que o agressor entrou na casa de Westergaard, perto da cidade de Arhus, armado com um machado e uma faca.

Segundo o relato policial, o chargista conseguiu se esconder em um banheiro que transformou em uma espécie de bunker de segurança desde que começou a receber ameaças de morte.

Westergaard ligou para a Polícia do banheiro, enquanto o somali tentava quebrar a porta e fazia ameaças em dinamarquês.

Quando a Polícia chegou, o agressor atacou os agentes, que responderam com disparos e o feriram na perna e na mão.

No momento do ataque, Westergaard estava em casa com a neta de 5 anos.

Desde setembro de 2005, quando foram publicadas as caricaturas de Maomé no jornal "Jyllands-Posten", Westergaard foi objeto de ameaças de morte e vive sob proteção policial. EFE rz/an

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG