Interpol proporá estratégia de segurança global para século XXI

Moscou, 7 out (EFE).- A Interpol proporá uma estratégia de segurança global para o século XXI, declarou hoje o secretário-geral da organização, Roland Noble, em seu discurso de abertura da 77ª Assembléia Geral da polícia internacional, em São Petersburgo (Rússia).

EFE |

"Esta Assembléia tem enorme importância, pois iniciamos uma iniciativa global de segurança no século XXI, uma estratégia comum que atrairá a atenção dos líderes mundiais", afirmou Noble, segundo a agência russa "Interfax".

Noble criticou os Governos dos países-membros por destinarem mais fundos às Forças Armadas do que aos corpos policiais na luta antiterrorista.

"Muitos recursos são destinados aos militares, mas eles jamais resolverão o problema do terrorismo. É preciso destinar mais fundos às forças da ordem", declarou.

O secretário-geral da Interpol citou como exemplo a situação no Afeganistão, onde este ano mais de 700 policiais morreram, além de militares da coalizão internacional, à qual criticou por dedicar pouca atenção à garantia da ordem pública.

"Bilhões de dólares são investidos na operação militar no Afeganistão, enquanto o mais simples instrumento policial para colher impressões digitais é inatingível", afirmou Noble.

O secretário-geral propôs a implantação no Afeganistão de um sistema autônomo de identificação e acompanhamento dos terroristas e criminosos.

Por outro lado, Noble instou os países-membros a efetuarem uma troca mais ativa de informação sobre os criminosos mais perigosos que tenham fugido da prisão.

"Nos últimos anos, 62 terroristas e criminosos muito perigosos fugiram das prisões em todo o mundo, mas nós ainda não recebemos informação plena sobre estes casos", contou.

Noble acrescentou que muitos países sequer dispõem dos procedimentos necessários para participarem da troca de informação.

O secretário-geral pediu aos países-membros da Interpol que "atuem rápido e decisivamente em apoio da iniciativa global".

Também anunciou a meta da organização de criar um fundo de 1 bilhão de euros para apoiar seus trabalhos e pediu que os Governos dos países-membros façam suas contribuições ao mesmo.

O primeiro-ministro da Rússia, Vladimir Putin, também discursou na sessão de abertura e defendeu a "consolidação dos esforços da comunidade mundial na luta contra os desafios e ameaças comuns para os Estados e seus cidadãos".

"Somente juntos poderemos combater o terrorismo internacional e o narcotráfico, frear as fraudes financeiras e os crimes virtuais e acabar com um fenômeno tão vergonhoso do século XXI como é o tráfico de seres humanos", declarou o ex-presidente russo.

Antes de seu encerramento, na sexta-feira, a 77ª Assembléia Geral da Interpol deverá eleger o próximo presidente da entidade, cargo ao qual aspiram Arturo Herrera Verdugo, do Chile, e Khoo Boon Hui, de Cingapura.

"Temos a grande responsabilidade de eleger o novo presidente", disse Verdugo, atual dirigente interino da Interpol, ao falar no fórum, que em sua primeira sessão aprovou hoje a adesão do Estado do Vaticano à organização. EFE si/wr/fal

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG