Interpol nega pedido de prisão preventiva de Zelaya

Paris, 7 jul (EFE).- A Interpol negou hoje a solicitação feita pelo novo Governo de Honduras para publicar uma notificação vermelha sobre o presidente deposto Manuel Zelaya, o que seria um pedido de prisão preventiva.

EFE |

A solicitação é contrária ao artigo 3 da organização, pelo qual fica "rigorosamente proibida à organização de toda atividade ou intervenção em questões ou assuntos de caráter político, militar, religioso ou racial", apontou a Interpol em comunicado .

"Os crimes de 'abuso de autoridade, usurpação de funções, ofensas contra o Governo e traição' aos quais se acusa o presidente Zelaya são de caráter político e não apresentam nenhum elemento de direito comum", acrescenta a organização com sede em Lyon, na França.

A Interpol ressalta que, segundo a imprensa, "as autoridades hondurenhas impediram que um avião no qual viajava o presidente Zelaya aterrissasse no aeroporto de Tegucigalpa, onde teriam podido aplicar uma ordem de detenção nacional".

"Se a informação for verdadeira e as autoridades nacionais se abstiveram deliberadamente de praticar a detenção em seu próprio território, isso também demonstraria a existência de motivos diferentes à defesa da cooperação policial internacional", acrescenta o comunicado. EFE jaf/pd

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG