Interpol manda prender 3 funcionários de Zelaya

Tegucigalpa, 11 ago (EFE).- A Interpol emitiu ordens de prisão contra três funcionários do presidente derrubado de Honduras, Manuel Zelaya, informou hoje o chefe da organização neste país, Rommel Martínez.

EFE |

Os procurados são o ministro da Defesa no Governo de Zelaya, Arístides Mejía; a ministra de Finanças, Rebeca Santos, e a gerente da Empresa Nacional de Energia Elétrica (ENEE), Rixi Moncada.

Os três são acusados de abuso de autoridade e fraude contra a Administração pública. Segundo o Ministério Público hondurenho, Moncada, com o aval de Mejía e de Santos, alugou um edifício para a ENEE sem abrir uma licitação pública.

Na semana passada, a direção central da Interpol, instalada na França, já havia emitido um alerta vermelho contra os funcionários, disse Martínez a uma rádio de Tegucigalpa.

O chefe da Interpol em Honduras explicou ainda que esse alerta é utilizado para "efetuar a localização e a captura de pessoas que têm processos penais pendentes nos países-membros" da organização.

O próprio Zelaya tem uma ordem de detenção decretada contra si.

Ele é acusado pela Promotoria de fraude, falsificação de documentos e abuso de autoridade na aprovação de um decreto que, sem cumprir alguns requisitos, autorizava gastos de 27 milhões de lempiras (US$ 1,4 milhão) em publicidade. EFE lam/sc

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG