Internet mantém no ar rádios fechadas por Chávez

Algumas das 34 emissoras de rádio que foram fechadas, há cerca de duas semanas, pelo governo da Venezuela por supostamente não terem autorização para operar, encontraram na internet uma forma de continuar com sua programação.

BBC Brasil |

É o caso da rádio CNB, de Caracas, que, a não ser por eventuais lembretes de seus locutores de que foi fechada pelo governo, continua transmitindo notícias, músicas e intervalos comerciais.

Desde que a CNB começou a transmitir a programação pela internet, o número de acessos ao site da emissora quadruplicou, de acordo com seu proprietário, Nelson Belfort. Mesmo assim, segundo ele, a audiência não é a mesma de quando a emissora transmitia via rádio.

"São estruturas e públicos totalmente distintos. Antes podíamos chegar potencialmente a quatro ou cinco milhões de habitantes de Caracas, por meio de um serviço gratuito e instantâneo. Internet é outra coisa", disse Belfort em entrevista a Yolanda Valery, repórter da BBC Mundo na Venezuela.

Segundo ele, além de ser uma forma de "protesto" contra o fechamento das rádios, que alguns interpretam como uma medida de caráter político, a emissora continua funcionando para fornecer conteúdo a outras rádios da rede, que ainda estão no ar no interior do país.

De acordo com Belfort, no entanto, a transmissão apenas pela internet é provisória, e deve durar apenas enquanto a "onda" de fechamentos ordenada pela Comissão Nacional de Telecomunicações (Conatel) continuar.

Ele afirma ainda que as rádios se preparam para entrar com uma ação contra a Conatel no Supremo Tribunal de Justiça da Venezuela, mas admite "que não deve ser fácil".

Efeitos mistos

Duas semanas depois do anúncio do fechamento das 34 estações de rádio, os efeitos da medida entre a opinião pública parecem pouco claros.

De acordo com uma pesquisa da consultoria Hinterlaces, 72% dos venezuelanos acreditam que as medidas contra as rádios não são prioritárias para o bem estar do país. Mesmo assim, a medida não causou os protestos e a comoção nacional que alguns previam, apesar de continuar dividindo opiniões.

"Eu diria que a situação é perfeitamente normal, porque se está levando adiante um processo dentro da legalidade", disse à BBC Mundo o analista político Alberto Aranguibel, que defende a medida.

"Houve uma reação de um setor que agrupa empresas privadas de radiodifusão, mas não houve maiores convulsões", diz Aranguibel, que afirma, inclusive, que a medida recebeu o apoio de algumas empresas.

Já Nelson Belfort, dono da CNB, disse que "ficou chocado por ver um trabalho de gerações destruído pelo capricho de um presidente (Hugo Chávez) que quer acabar com a liberdade de pensamento e os meios independentes".

Leia também:


Leia mais sobre Venezuela

    Leia tudo sobre: imprensainternetvenezuela

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG