MADRI - Um quarto da população mundial é usuária de internet e as 3,5 bilhões de pessoas que utilizam celulares todos os dias são números de uma realidade que, advertem os especialistas, mudou o mundo e a maneira de pensar de tal forma que obriga a uma nova cultura digital.

"Nenhuma tecnologia penetrou tão rapidamente em nossa sociedade como a tecnologia da informação e da comunicação", segundo Francis Pisani, autor, junto a Dominique Piotet, do livro "L'alchimie des multitudes" ("A alquimia das multidões", em tradução livre).

Pisani contou à Agência Efe que a maior revolução aconteceu no surgimento de novas formas de organização, como as redes, que não existiam há 15 anos e que são uma das maneiras "mais eficientes" de organização humana.

"Não só as pessoas conectadas fazem coisas de maneira diferente às do mundo anterior, como relacionar-se com outras pessoas através das redes sociais ou confiar nos comentários de desconhecidos para comprar um produto, mas as não conectadas têm relação com a web através das conectadas", explicou Pisani.

Para o blogueiro, esta mudança de mentalidade deve ser acompanhada do conhecimento e da apropriação das ferramentas digitais, pois adverte de que, "em breve, a maior multidão será aquela que está conectada, mas que não conhece bem as lógicas da rede".

"Temos que ensinar nossos filhos a passar de tribos localizadas e fechadas a translocais e abertas", especifica.

"É certo que o percentual de conectados na África é muito pequeno, mas não podemos ignorar que foi ali mesmo onde se inventou o último sistema bancário da história da humanidade, ao estabelecer um mecanismo pelo qual se paga com segundos ou minutos de conexão via celular", assinalou.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.