Internet dá nova cara à campanha na Colômbia

Candidato do Partido Verde, Antanas Mockus, cresce nas pesquisas apoiado pela presença nas redes sociais

EFE |

As redes sociais da internet mudaram a cara da campanha nas eleições presidenciais na Colômbia, e o principal expoente de tal fenômeno é o candidato do Partido Verde, Antanas Mockus, que se tornou o sétimo político com mais seguidores no Facebook no mundo todo.

Graças ao apoio que recebeu nessas redes, o ex-prefeito de Bogotá, um matemático e filósofo de 58 anos, passou em menos de quatro meses da lanterna das pesquisas de intenções de voto a ser um dos favoritos a chegar ao poder.

Reuters
Antanas Mockus discursa durante comício em Bogotá, na Colômbia

Em fevereiro passado, Mockus não tinha mais que 3% de apoio, muito atrás do candidato governista e ex-ministro da Defesa, Juan Manuel Santos, e da conservadora Noemí Sanín.

Mas o uso das novas tecnologias e a espetacular atividade de seus seguidores nas redes levou Mockus a passar em tempo recorde a maioria dos adversários.

Seu antecedente nesse fenômeno é o atual presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, que no ano passado chegou à Casa Branca ajudado por uma mobilização sem precedentes através da internet e das redes sociais.

Hoje, Mockus é o sétimo político que mais seguidores tem no mundo no Facebook, com 611.762 'amigos' , segundo o site Facebakers, especialista em estatísticas da rede social.

O boom virtual também o coloca como o político com o maior aumento em nível internacional de seguidores mensais (352.123) e semanais (69.382) no Facebook, enquanto o segundo por dia (7.931), superado apenas por Obama. Nesse campo, é seguido de muito longe pelos outros candidatos.

Santos, com quem Mockus está empatado nas sondagens, tem 142.459 pessoas na sua página, e o terceiro é Gustavo Petro, do esquerdista Polo Alternativo Democrático (PDA), com 125.992. Mais longe ficam o liberal Rafael Pardo, com 15.059, e a conservadora Noemí Sanín, com apenas 9.102.

Mas, apesar de o Facebook, com 9,6 milhões de usuários na Colômbia, ter uma alta capacidade de mobilização, o Twitter aparece como outra das ferramentas mais usadas na campanha. Todos os candidatos, inclusive os que nem sequer aparecem nas pesquisas, têm uma conta no microblog, atualizado várias vezes ao dia com propostas e mensagens pessoais.

Um desses candidatos desconhecidos, Robinson Devia, do movimento A Voz da Consciência, é o mais ativo, com mensagens a cada minuto, enquanto Petro é um dos mais dinâmicos no contato com os seguidores.

Mas Mockus também é o líder no Twitter , com 37.463 seguidores, à frente de Petro (7.103), Santos (4.269), Pardo (3.777) e Sanín (945).

No terceiro eixo da corrida virtual estão as páginas dos candidatos, que, por ser o mais tradicional e conhecido de todos esses recursos, é o mais desenvolvido.

Assim, quase todos os sites oficiais mostram um alto grau de atualização, interatividade, simplicidade na navegação e links com suas contas em Facebook, Twitter, YouTube e outras redes sociais, como Hi5 e Sonico.

No caso de Santos, há uma das opções mais peculiares, um "muro da vergonha". Nele, é possível denunciar conteúdos abusivos na web, material falso, degradante ou abusivo contra o candidato.

De acordo com o último relatório sobre comunicação do governo, metade dos colombianos tem acesso à internet, parcela que os candidatos buscam conquistar e conseguir, enquanto explicam no Twitter, a desejada vaga na Casa de Nariño, a sede da Presidência.

    Leia tudo sobre: Colômbiainterneteleições

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG