Instituição pede que Indonésia investigue mesquitas, madraçais e editoras

Jacarta, 27 ago (EFE).- O centro International Crisis Group (ICG), instituição formada por ex-altos funcionários e especialistas em política internacional, pediu hoje que a Indonésia investigue profundamente mesquitas, madraçais, editorais e clínicas radicais, para ganhar a batalha contra o terrorismo islâmico.

EFE |

A ação policial "não terá impacto positivo" se antes "as agências governamentais não fizerem um sério esforço para entender e debilitar o apoio de base da atividade terrorista", adverte o grupo, em uma análise de 16 páginas sobre os atentados em julho contra dois hotéis de luxo de Jacarta nos quais nove pessoas morreram.

O documento reconhece que a maioria de centros de ensino islâmicos rejeita o radicalismo e não apoia à organização Jemaah Islamiya, considerada o braço da Al Qaeda no Sudeste Asiático, ou a facção radical dirigida por Noordin Mohammed Top, o terrorista mais procurado da região.

No entanto, indica que, da mesma maneira, "há poucos que não contam com um pequeno grupo de simpatizantes", entre os quais sempre há algum elemento "disposto a se unir" a grupos terroristas.

Sobre o grupo de Noordin Mohammed Top, suposto autor dos atentados de julho, o centro diz que é "maior e mais complexo" do que se achava, e recruta novos membros de forma "surpreendentemente simples". EFE jpm/an

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG