Inseto mais comprido do mundo entre 123 novas espécies achadas em Bornéu

Uma rã sem pulmão e o inseto mais comprido do mundo fazem parte das 123 novas espécies descobertas durante os últimos três anos nas florestas tropicais da ilha de Bornéu, no sudeste da Ásia, anunciou nesta quinta-feira o Fundo Mundial para a Natureza (WWF).

AFP |

A descoberta foi feita em uma zona de 220.000 km2 de floresta frondosa, conhecida como o "Coração de Bornéu" e protegida desde 2007 pela Malásia, Indonésia e o sultanato de Brunei, os três países que compartilham a ilha de Bornéu, esclarece o WWF em um relatório.

"Descobrimos três novas espécies por mês em média, 123 ao longo dos últimos três anos e pelo menos 600 há quinze anos", comemorou Adam Tomasek, chefe do programa "Coração de Bornéu" do WWF, falando à AFP.

"As novas descobertas demonstram a riqueza da biodiversidade em Bornéu e permitem esperar novos achados, alguns dos quais poderão contribuir para curar enfermidades como o câncer ou a Aids".

O "Coração de Bornéu" abriga 10 espécies de primatas, mais de 350 pássaros, 150 répteis e anfíbios, assim como 10.000 plantas que não são encontradas em nenhuma outr parte do mundo.

Entre as novas espécies achadas em 2008 figura uma rã de sete centímetros e cabeça plana, a Barbourula kalimantanensis , que respira através da pele, já que não possui pulmões.


A rã que respira pela pele está entre as 123 novas espécies. (Foto:WWF)


No mesmo ano, os pesquisadores descobriram descobriram o Phobaeticus chani , considerado o inseto mais comprido do mundo, com quase 36 cm (sem as antenas). Só foram achados três espécimes dessa espécie.


O maior inseto do mundo tem 36 cm sem considerar as antenas. (Foto:WWF)

Entre os animais mais insólitos figura também uma lesma encontrada no monte Kinabalu que lança "dardos de amor" para seu companheiro para injetar nele hormônios com os quais aumenta sua capacidade de reprodução.

Os cientistas querem que os três países envolvidos em Bornéu garantam a proteção da biodiversidade da ilha.

"Sabemos que é impossível para os três governos não desenvolver atividades mineradoras, floretais ou plantações", reconhece Tomasek. "Mas pedimos que se estabeleça um equilíbrio entre a preservação e um desenvolvimento sustentável para proteger esta zona única para as gerações futuras".

A Indonésia e a Malásia são os dois principais produtores de óleo de palma (azeite de dendê), com 85% da produção mundial.

Alguns organizações ecologistas culpam esta exploração de ser uma das principais causas dos desmatamento, principalmente em Bornéu.

Leia mais sobre: Animais

    Leia tudo sobre: animais

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG