Ingrid Betancourt pede força aos sequestrados porque as libertações ocorrerão

Bogotá, 30 dez (EFE).- A ex-candidata presidencial colombiana Ingrid Betancourt, que ficou por mais de seis anos em poder das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), enviou hoje uma mensagem aos sequestrados de seu país pedindo a eles que aguentem e olhem em direção a um futuro cheio de luz e de esperança.

EFE |

"Quero dizer que a missão deles é não baixar a guarda, aguentar porque têm que olhar para frente. Olhem para o futuro que vai ser cheio de luz e bênçãos", afirmou Betancourt em uma entrevista à "Rádio Cadena Nacional - RCN".

Na mesma reportagem, a política colombiana, que tem também nacionalidade francesa e foi um dos 15 sequestrados libertados na Operação Xeque, realizada pelo Exército colombiano em 2008, não economizou críticas aos seqüestradores.

"Às Farc quero dizer que (2009) foi um ano perdido", indicou.

Às centenas de sequestrados na Colômbia e aos reféns das Farc, Betancourt lembrou que também passou "pelos mesmos momentos de solidão e depressão", mas pediu a todos que não percam a esperança.

"As libertações vão ocorrer", assinalou e disse estar "muito confiante" que em breve todos estarão "em casa".

A política colombiana, que abandonou Colômbia poucas horas após sua libertação em 2008 e que vive na França, convidou a abrir "um canal de comunicação" que permita a libertação dos reféns.

Betancourt referiu-se aos militares Pablo Emilio Moncayo e Josué Daniel Calvo, cujas libertações foram anunciadas pelas Farc.

Para Betancourt, após as libertações de Moncayo e Calvo, será aberta uma "passagem às outras" de uma lista de mais de 20 reféns, policiais e militares, ainda em poder das Farc.

Ingrid Betancourt destacou o trabalho de mediação da senadora Piedad Córdoba e considerou que "foi extraordinária sua determinação para que ocorram as libertações".

Além disso, pediu "tranquilidade" a Gustavo Moncayo, pai do sargento Moncayo, que realizou várias caminhadas pela Colômbia, países vizinhos e na Europa, reivindicando a libertação de seu filho.

"Isto vai ocorrer, tenham paz, tranquilidade", disse Betancourt dirigindo-se ao chamado "caminhante pela paz". EFE rrm/dm

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG