Ingrid Betancourt, uma política de caráter forte, foi resgatada nesta quarta-feira junto com outros 14 reféns da guerrilha colombiana das Farc, após mais de seis anos de seqüestro, que a transformaram num símbolo deste drama, pelo qual passam pelo menos 3.000 de seus compatriotas.

Vítima da pressão, Betancourt - que completou 46 anos no dia 25 de dezembro passado - havia pedido ao governo colombiano que só tentasse resgatá-la se tivesse garantias de que a operação fosse terminar bem.

A ex-refém também criticou a guerrilha em suas mensagens devido ao tratamento desumano reservado a seus prisioneiros.

A ex-congressista Consuelo González, liberada em janeiro, lembrou que Ingrid "estava muito fraca, fraquíssima, com problemas de saúde, mas mentalmente permanecia firme" nos acampamentos guerrilheiros, e que mesmo presa "debatia muito, com sua característica veemência".

Foi essa veemência que a levou, em meados dos anos 90, a se tornar a congressista mais votada do partido Liberal, do qual se desligou após denunciar a influência do narcotráfico na política. Ela então fundou o partido verde Oxígeno, pelo qual se candidatou à presidência. Seu seqüestro aconteceu durante a campanha.

Filha do ex-ministro da Educação Gabriel Betancourt, que morreu meses depois do seqüestro, e de Yolanda Pulecio, uma ex-rainha da beleza que se dedicou à política e às causas filantrópicas, Ingrid é uma amante do debate.

Estudou no Liceu Francês de Bogotá, onde seus ex-colegas a descrevem como uma aluna brilhante, ambiciosa, estudiosa, com grande poder de convencimento e idéias de esquerda.

Foi morar em Paris para estudar Ciências Políticas e teve aulas com o ex-ministro francês Dominique Villepin. Conseguiu a nacionalidade francesa depois de se casar com o diplomata Fabrice Deloye, com quem teve dois filhos, Melanie e Lorenzo, antes de se separar. Ambos tiveram a adolescência marcada pelo seqüestro da mãe.

Betancourt voltou para a Colômbia no início da década de 90, e após uma breve passagem pela burocracia passou a se dedicar à política, meio no qual conheceu seu segundo marido, o publicitário Juan Carlos Lecompte.

Outra ex-refém das Farc, Clara Rojas, libertada junto com Consuelo González no início do ano, admitiu que, apesar de sua grande amizade com Betancourt, tiveram algumas brigas durante o cativeiro, depois de pelo menos cinco tentativas frustradas de fuga.

Rojas, que teve um filho com um guerrilheiro, acompanhava Betancourt no momento do seqüestro, em fevereiro de 2002, perto de San Vicente del Caguán (sudeste).

As circunstâncias do seqüestro revelam muito da personalidade da franco-colombiana, a quem as autoridades haviam advertido sobre a atuação das Farc na região.

Betancourt, no entanto, decidiu viajar mesmo assim, convencida de que suas posições progressistas seriam seu melhor escudo de proteção contra os rebeldes, segundo revelou Rojas, afirmando que num primeiro momento ambas pensaram que o seqüestro seria passageiro.

Betancourt, no entanto, já estava em poder dos guerrilheiros há mais de seis anos, e sua saúde está seriamente debilitada por causa do tempo na selva.

Suas mais recentes provas de vida, um vídeo e fotos, divulgados em novembro do ano passado, mostravam Ingrid abatida, muito magra e silenciosa, algemada no meio da selva.

Acompanhavam as dramáticas imagens uma carta desesperada da refém para a família: "aqui, vivemos como os mortos".

bur-hov/ap

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.