Um tribunal alemão indicou nesta sexta-feira estar disposto a tornar pública as informações do serviço de inteligência alemã sobre Adolf Eichmann, um dos arquitetos do Holocausto durante a Segunda Guerra Mundial." /

Um tribunal alemão indicou nesta sexta-feira estar disposto a tornar pública as informações do serviço de inteligência alemã sobre Adolf Eichmann, um dos arquitetos do Holocausto durante a Segunda Guerra Mundial." /

Informações da inteligência alemã sobre Adolf Eichmann podem ser divulgadas

Um tribunal alemão indicou nesta sexta-feira estar disposto a tornar pública as informações do serviço de inteligência alemã sobre Adolf Eichmann, um dos arquitetos do Holocausto durante a Segunda Guerra Mundial.

AFP |

Um tribunal alemão indicou nesta sexta-feira estar disposto a tornar pública as informações do serviço de inteligência alemã sobre Adolf Eichmann, um dos arquitetos do Holocausto durante a Segunda Guerra Mundial.

A decisão do tribunal administrativo federal de Leipzig aconteceu depois do pedido de um jornalista residente na Argentina e que deseja consultar as 3.400 páginas dos arquivos do BND (o serviço alemão de inteligência). Os documentos, que datam dos anos 50 e 60, estão relacionados com Eichmann, um dos organizadores do genocídio dos judeus pelo regime nazista.

O tribunal considerou obsoletos os argumentos apresentados até agora pela chancelaria, à qual o BND está subordinado, para manter os arquivos fechados.

Segundo o tribunal, os fatos são muito antigos para causar algum prejuízo à política alemã no Oriente Médio ou à colaboração dos serviços de inteligência alemãos com o de outros países.

No entanto, autorizou à chancelaria fornecer novos argumentos, se assim o desejar.

Adolf Eichmann, um tenente-coronel da SS, foi brevemente detido pelos americanos ao final da Segunda Guerra Mundial, mas conseguiu escapar e viver na Alemanha de maneira clandestina durante vários anos. Em 1950 se refugiou - com um nome falso - na Argentina, até que os serviços de inteligência israelenses o encontraram e capturaram.

Foi julgado em Israel e, depois de ser condenado à morte, foi enforcado em 1962.

fc/cn/fp

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG