O Ministério Público espanhol investigará a morte de 18 pessoas em um período de 20 meses a partir de fevereiro de 2006 por uma bactéria que afetou 252 pacientes do hospital 12 de Outubro de Madri, informação divulgada neste domingo pelo jornal El País.

Estas mortes foram causadas pela bactéria Acinetobacter Baumannii, resistente a vários antibióticos, de acordo com o diário espanhol, indicando que o hospital levou 20 meses para acabar com a epidemia.

O diretor do hospital, Joaquín Martínez, negou neste domingo em uma entrevista coletiva à imprensa que as 18 mortes estavam diretamente vinculadas à bactéria e explicou que a Acinetobacter "por si só não leva à morte".

Os pacientes em estado crítico "falecem por sua doença, acompanhada excepcionalmente por uma infecção pela Acinetobacter Baumannii multiresistente ou por outros tipos de microorganismos, porque são mais vulneráveis por seus problemas de saúde", afirmou o chefe da unidade de Medicina Preventiva do hospital, José Ramón de Juanes.

A vice-presidente primeira do Governo, María Teresa Fernández de la Vega, que se encontra em visita oficial ao Níger, anunciou neste domingo que o Ministério Público geral do Estado abriu uma investigação para esclarecer as causas destas mortes, já que se trata de "um fato muito, muito grave".

vg-esb/dm

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.