A mania dos japoneses de acreditar em perfis determinados pelos quatro tipos sangüíneos está sendo cada vez mais aproveitada comercialmente no país. Até o final deste mês, por exemplo, a gigante dos games Nintendo lança no Japão o jogo As características de cada pessoa: tipo A, tipo B, tipo AB e tipo O (em tradução livre), feito para o console portátil Nintendo DS.

O game traz informações sobre cada tipo sanguíneo e permite ao jogador organizar suas características pessoais e criar um personagem, testar seu conhecimento, descobrir as qualidades e defeitos de sua paquera e trocar informações pessoais com os amigos.

Segundo pesquisas de opinião realizadas pelo Departamento de Psicologia da Universidade Ritsumeikan, em Kyoto, cerca de 80% dos japoneses adultos acreditam que o tipo sangüíneo diz tudo sobre uma pessoa.

Namorados
"Não gosto do tipo B, mas meus namorados sempre foram B", reclama a japonesa Miharu Tanaka, 30 anos. "Eles são muito ingênuos, acham que tudo vai dar certo e agem sem pensar", justifica.

A jovem preferiria namorar um rapaz de tipo sangüíneo O, pois, segundo ela, é o mais fácil de lidar. "Os de tipo O se acham melhores do que os outros, mas, por outro lado, são simpáticos, de bom coração, dão muita importância à família e pensam nas outras pessoas", descreve Miharu.

O tema é levado a sério no Japão desde 1901 e existe até uma organização sem fins lucrativos que divulga as pesquisas científicas ligadas a ele, o Centro de Ciências Humanas ABO.

"Há vários estudos no país que associam as características de cada pessoa e a existência de certas doenças ao tipo sangüíneo", conta Chieko Ichikawa, chefe-geral do centro.

Os estudos, porém, não chamam ainda tanto a atenção da comunidade científica internacional, muito menos dos cidadãos comuns. Na Ásia, apenas os taiuaneses e coreanos acompanham o tema.

Na Europa, a França desenvolve estudos próprios, mas a população não demonstra interesse pelo assunto. "A diferença é que, dependendo do país, a maioria da população sequer sabe qual é o seu tipo sangüíneo", defende Chieko.

Currículo
O tipo sangüíneo é tão importante no Japão que faz parte do campo obrigatório de certos currículos e é um dos critérios para algumas empresas escolherem seus novos funcionários. Quem tem sangue B, por exemplo, leva desvantagem na disputa de uma vaga para chefia.

Afinal, segundo os manuais, faltam ao tipo B diplomacia e habilidade para liderar. Por outro lado, eles têm criatividade de sobra e levam jeito para as artes.

No perfil das celebridades e até dos personagens de mangá e anime, esta é uma informação que não pode faltar. A gatinha Hello Kitty é do tipo A, assim como Britney Spears e a rainha do pop japonês Ayumi Hamasaki.

A indústria do país também aproveitou a onda para lançar produtos temáticos. A lista inclui de camisinhas a uma coleção de livros, um para cada tipo sangüíneo.

A coleção, lançada em agosto, vendeu mais de 5 milhões somente nos dois primeiros meses.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.