Indústria bélica espera sucessor à altura de Kennedy

Por Ross Kerber BOSTON (Reuters) - Entre os grupos mais discretos - mas não menos atendidos - que foram ligados ao senador Edward Kennedy esteve a indústria bélica dos EUA, que agora espera por um sucessor com tantas afinidades quanto o democrata, que morreu na terça-feira aos 77 anos, vítima de câncer.

Reuters |

A vaga que era ocupada por ele no Comitê de Serviços Armados do Senado ficou em aberto, e vários programas bélicos podem sofrer cortes caso seu substituto não demonstre interesse similar ou não tenha tanta influência quanto a que Kennedy exerceu em favor do setor, segundo analistas.

"É óbvio que ele foi um grande protetor (das empresas de defesa da Nova Inglaterra)", disse Owen Cote, especialista em segurança do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT). "Sem dúvida o segundo motor do F-35 não estaria vivo sem ele."

Cote se referia a um motor de caça produzido conjuntamente pela General Electric e a Rolls-Royce na fábrica da GE em Lynn, Massachusetts, que gera milhares de empregos.

Esse motor deve competir com um produto similar da United Technologies Corp, e seu financiamento ainda será alvo de novas negociações neste semestre em Washington.

Rick Kennedy, porta-voz da GE, previu que a verba será aprovada. "Felizmente, temos amplo apoio de pessoas que Kennedy influenciou", afirmou.

Pela lei estadual de Massachusetts, Estado que Kennedy representava, cabe ao governador Deval Patrick convocar uma eleição suplementar num prazo de 145 a 160 dias após a vacância.

Embora fosse considerado um pacifista em questões de política externa, o empenho de Kennedy em prol da indústria bélica e bases militares da Nova Inglaterra (nordeste dos EUA) ajudou a consolidar sua popularidade na região.

O setor bélico tem grande importância econômica em Massachusetts. Segundo um estudo da Universidade de Massachusetts, os gastos com defesa totalizaram 9,2 bilhões de dólares em 2005, além de 5,5 bilhões de dólares em gastos indiretos, representando 4,6 por cento do PIB local.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG