Índia exige que Paquistão entregue suspeitos após atentado

Por Matthias Williams NOVA DÉLHI (Reuters) - A Índia exigiu nesta terça-feira que o Paquistão entregue 20 de seus homens mais procurados como um gesto de boa fé, enquanto se intensificaram os esforços diplomáticos para tentar acalmar os ânimos entre os dois rivais nucleares por causa dos ataques em Mumbai.

Reuters |

O ministro do Interior da Índia descartou uma ação militar, e seu equivalente paquistanês propôs a realização de uma investigação conjunta para encontrar os militantes responsáveis pelos ataques de três dias que deixaram 183 mortos na capital financeira indiana.

A Índia renovou a exigência pela entrega de suspeitos procurados há anos em uma nota de protesto entregue ao Alto Comissário do Paquistão, Shahid Malik, em Nova Délhi, na segunda-feira, disse o chanceler indiano Pranab Mukherjee a repórteres.

"Em nossas ações diplomáticas, pedimos a prisão e entrega dessas pessoas, estabelecidas no Paquistão e fugitivos da lei indiana", disse ele, nesta terça-feira, acrescentando que cerca de 20 pessoas estão na lista.

Autoridades disseram que entre os homens procurados na Índia se encontram Dawood Ibrahim, um líder do submundo de Mumbai, e Maulana Masood Azhar, um clérigo muçulmano paquistanês que fugiu da prisão na Índia trocado por passageiros de um avião sequestrado.

O chanceler disse na segunda-feira que Malik foi informado de que "as ações do Paquistão precisam corresponder aos sentimentos expressos por sua liderança, segundo os quais o país quer ter um melhor relacionamento com a Índia."

O chanceler paquistanês, Shah Mehmood, numa mensagem televisionado, disse que esse não era o momento "para um jogo de culpados, ofensas e apontar dedos".

"O Paquistão quer uma boa relação com a Índia", disse ele.

O secretário-geral da Liga Árabe, Amr Moussa, esteve em Nova Délhi para uma visita agendada nesta terça-feira, e a secretária de estado norte-americana, Condoleezza Rice, deve chegar na quarta-feira.

A Índia tem culpado militantes islâmicos sediados no Paquistão pelos ataques na capital financeira do país.

Acredita-se que Ibrahim, o homem mais procurado da Índia, esteja vivendo no Paquistão. Ele é procurado por ataques a bomba em Mumbai em 1993 que mataram pelo menos 250 pessoas.

Relatos afirmam que seus seguidores na cidade podem ter fornecido ajuda para os ataques da semana passada.

A mais graduada autoridade militar britânica alertou que as tensões entre Índia e Paquistão podem prejudicar a ofensiva de Islamabad contra militantes do Taliban e da Al Qaeda na fronteira com o Afeganistão.

Investigadores indianos disseram que os terroristas de Mumbai receberam meses de treinamento militar no Paquistão do grupo Lashkar-e-Taiba, culpado por um ataque em 2001 contra o parlamento indiano. Acredita-se que Ibrahim tenha sido um de seus financiadores.

(Reportagem das redações de Nova Délhi, Mumbai e Islambad)

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG