Índia diz que não precisa de conselho britânico sobre Caxemira

Nova Délhi, 15 jan (EFE).- O Governo indiano respondeu hoje ao ministro britânico de Relações Exteriores, David Miliband, que não precisa de seu conselho sobre assuntos internos como a Caxemira, após o diplomata afirmar que a resolução da disputa com o Paquistão por esta região ajudaria na luta contra o terrorismo, em matéria do jornal The Guardian.

EFE |

Em comunicado, o Ministério de Relações Exteriores indiano disse a Miliband, que visita o país, tem o direito de expressar suas "opiniões", já que a Índia "é um país livre".

"Embora não compartilhemos de suas opiniões, ele é livre para expressá-las. No entanto, não precisamos de conselhos que não pedimos sobre assuntos internos da Índia como Jammu e Caxemira", nome oficial da região, diz a nota do Ministério.

Após lembrar que o grupo fundamentalista Lashkar-e-Toiba (LeT), acusado pela Índia do atentado terrorista que matou 179 pessoas em Mumbai, em novembro, "tem suas raízes no Paquistão e diz que sua causa é a Caxemira", Miliband disse que a resolução do conflito caxemiriano permitiria às autoridades paquistanesas "se focarem em frear a ameaça em sua fronteira ocidental".

Miliband, que chegou hoje a Mumbai, insistiu nas mesmas ideias em discurso pronunciado no Hotel Taj, um dos alvos que os terroristas atacaram.

"Os grupos terroristas de hoje precisam ficar expostos e serem atacados pela raiz, detendo seu fluxo de armamento e financiamento, expondo a pouca seriedade de suas exigências, levando seus seguidores à democracia política", afirmou, citado pelas agências indianas "PTI" e "Ians".

Miliband destacou que o Reino Unido também pressionou o Paquistão a atuar de forma enérgica contra o terrorismo e que continuará pressionando nos próximos dias, quando deve visitar Islamabad. EFE amp/jp

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG