Índia dá início a sua corrida espacial com lançamento de sonda lunar

Diego A. Agúndez.

EFE |

Nova Délhi, 22 out (EFE).- A Índia deu início hoje a sua corrida espacial com o lançamento bem-sucedido de sua primeira sonda lunar, a "Chandrayaan 1", que traçará um mapa tridimensional do satélite e estudará seus minerais.

O lançamento aconteceu às 6h20 locais (22h50 de terça no horário de Brasília) nas instalações da Organização Indiana de Pesquisa Espacial (ISRO, sigla em inglês) na ilha de Sriharikota (sul), que fica na baía de Bengala.

A "Chandrayaan 1" decolou de um veículo de lançamento de satélites polares (PSLV, sigla em inglês) e demorou 18 minutos para orbitar ao redor da Terra, segundo o planejado e apesar das fortes chuvas dos últimos dias.

As câmeras captaram o momento em que o foguete subiu com uma esteira de fogo e densa fumaça branca, antes de desaparecer no céu, enquanto cientistas da ISRO - também vestidos de branco - aplaudiam e se abraçavam satisfeitos.

"O lançamento foi perfeito. A nave chegará à órbita lunar em 8 de novembro e lá começará sua tarefa", disse à Agência Efe um porta-voz da organização.

Com o lançamento da "Chandrayaan 1" (veículo lunar) a Índia se une ao clube das potências com missões no satélite, integrado por Rússia (antiga União Soviética), Estados Unidos, Agência Espacial Européia, China e Japão.

"O lançamento bem-sucedido da 'Chandrayaan 1' marca o primeiro passo do que esperamos ser um marco histórico do programa espacial indiano", comemorou o primeiro-ministro do país, Manmohan Singh, em comunicado após o lançamento.

Com um custo de 3,86 bilhões de rúpias (cerca de US$ 78 milhões), a sonda viaja rumo à Lua equipada com 11 instrumentos científicos, que servirão para traçar um mapa tridimensional do satélite e estudar sua composição geológica.

A "Chandrayaan 1" orbitará a 100 quilômetros do satélite durante dois anos, mas um dos momentos mais especiais acontecerá no próximo dia 15 de novembro: neste momento a sonda deixará cair uma bomba de impacto lunar com a bandeira indiana.

O lançamento foi recebido com entusiasmo pelo meio científico e a imprensa, e o ISRO não demorou a receber os cumprimentos das principais autoridades políticas, como a presidente Pratibha Patil e o próprio primeiro-ministro.

A imprensa indiana já classificou a "Chandrayaan 1" como um "grande salto adiante" e o "Moon Yatra" (viagem lunar) reafirmou a tradicional pujança do setor aerospacial indiano, que já havia lançado vários satélites estrangeiros.

Em setembro de 2007, a agência espacial indiana anunciou planos de construir uma "constelação" de sete satélites geoestacionários no valor de US$ 395 milhões até 2012.

Além disso, a "Chandrayaan 1" é apenas o primeiro passo nos planos do ISRO, que prevê enviar dois indianos ao espaço e mais tarde, por volta de 2025, levar outro de seus compatriotas a pisar o solo lunar, segundo um porta-voz da organização.

"Estamos planejando levar duas pessoas ao espaço em nossa primeira missão tripulada. O projeto está aprovado pela comissão espacial, com um custo de US$ 2,44 bilhões", disse hoje o presidente do ISRO, G. Madhavan Nair, à agência indiana "Ians".

De origem modesta, a indústria aerospacial indiana foi uma das apostas no ímpeto desenvolvimentista do país nas últimas décadas, que contrasta o lançamento de satélites com a existência de centenas de milhões de pobres.

Os cientistas esperam que esta primeira viagem indiana à Lua - a 68ª expedição da Terra ao satélite - apresente benefícios científicos imediatos e tenha outros efeitos mais concretos a longo prazo na economia e na política estratégica do país.

"A missão colocará a Índia no mapa mundial da cooperação em tecnologia espacial, além de fortalecer nosso propósito de usar estratégias na luta contra a pobreza e o analfabetismo", disse o cientista e senador Krishnaswami Kasturirangan à "Ians".

Cumprindo-se ou não esse propósito estratégico, por enquanto os cientistas, os políticos e os meios de comunicação indianos fizeram suas as palavras do diretor do projeto Chandrayaan, Mylswamy Annadurai: "Nosso bebê segue para a Lua". EFE daa/ev/fal

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG