Incêndio em boate na China deixa 43 mortos

Um incêndio em uma boate na cidade de Shenshen, no sul da China, deixou pelo menos 43 pessoas mortas, segundo informou a agência oficial chinesa. O fogo se iniciou por volta das 23h deste sábado (12h de Brasília).

Redação com agências |

Acordo Ortográfico

A Polícia chinesa deteve 12 pessoas supostamente envolvidas com o incêndio, sem dar detalhes sobre o caso. Segundo as primeiras investigações, o fogo teve início devido ao uso de fogos de artifício em uma apresentação.

Os feridos (cerca de 88 pessoas, segundo a Reuters) foram levados a centros de saúde da cidade, que é próxima a Hong Kong.

Na manhã deste domingo, 59 pessoas estavam hospitalizadas e outras seis sob observação médica, segundo dados fornecidos pelo responsável do distrito, Zhang Bei.

Para chegar ao clube, situado no terceiro andar de um mercado, era preciso passar por um estreito corredor de 10 metros de comprimento, o que dificultou a saída de muitos dos presentes.

"Muita gente ficou ferida na fuga precipitada", disse Yang Zhi, um dos empregados do local, que contou ter visto muitas pessoas deixarem o local quando, de repente, as luzes do clube se apagaram devido ao incêndio, que foi controlado durante a noite.


Incêndio deixou ao menos 43 feridos / Foto: AFP

No início da madrugada de domingo, outro acidente causou mortes na China. Uma explosão de gás em uma jazida de carvão da província central de Henan, que estava sendo recuperada, deixou 37 vítimas fatais, segundo a agência oficial de notícias "Xinhua".

Segundo um porta-voz do governo local, dos 108 mineiros que estavam trabalhando no interior da mina, 64 conseguiram sair à superfície e outros sete foram resgatados. Os feridos, cujo número não foi revelado, foram hospitalizados.

A mina de Xinfeng estava em funcionamento apesar de estar sendo recuperada tecnicamente, o que infringe a norma local. Por isso, os responsáveis da empresa Guangxian Industrial and Trade Co. Ltd. estão sendo interrogados pelas autoridades.

Com informações da EFE e da AFP

    Leia tudo sobre: china

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG