Tamanho do texto

Por Niluksi Koswanage KUALA LUMPUR (Reuters) - Uma quarta igreja foi incendiada na Malásia no sábado, ao mesmo tempo em que o governo tentava acalmar as tensões surgidas de uma controvérsia sobre o uso da palavra Alá.

Os ataques sem precedentes ensejam o risco de dividir o país de 28 milhões de habitantes, majoritariamente muçulmano, mas com significativas minorias religiosas, e também de complicar o plano do primeiro-ministro Najib Razak de recuperar o apoio dos não muçulmanos antes das eleições de 2013.

A disputa foi desencadeada pela determinação de uma corte permitindo que um jornal católico usasse a palavra Alá em suas edições na língua malaia. A decisão motivou protestos em mesquitas na sexta-feira e incitou ataques incendiários contra três igrejas, resultando em grandes danos a uma delas, de denominação pentecostal.

Enquanto Najib visitava a igreja pentecostal e oferecia uma ajuda governamental de meio milhão de ringgit (cerca de 148 mil dólares) para a manutenção de uma "sociedade harmoniosa", líderes da igreja diziam querer garantias mais concretas de segurança.

"Nós pedimos ao governo que faça uma declaração forte a esses malfeitores para que nós possamos rezar em paz no domingo", afirmou à Reuters o reverendo Hermen Shastri, secretário-geral do Conselho das Igrejas da Malásia.

A Malásia é predominantemente muçulmana e malaia, mas há significativas minorias étnicas chinesas e indianas que seguem principalmente o cristianismo, o budismo e o hinduísmo.

No último atentado no início do sábado, pessoas não identificadas lançaram um coquetel molotov em uma igreja luterana em um subúrbio no Estado de Selangor.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.