Imprensa latino-americana sofre tentativas de controle, diz SIP

Madri, 7 out (EFE).- Exercer o jornalismo é questão de vida ou morte para muitos profissionais da América Latina, onde os meios de comunicação sofrem crescente assédio governamental e judicial, e onde a crise econômica vai a frear as novas tecnologias.

EFE |

Esta é a conclusão geral de cinco dias de debates 64ª Assembléia da Sociedade Interamericana de Imprensa (SIP), fechada hoje em Madri pelo presidente do Governo espanhol, José Luis Rodríguez Zapatero.

Com mais de 500 proprietários e diretores de meios de comunicação da América e Europa, a asembléia identificou "quatro grandes ameaças contra a liberdade de expressão".

A primeira é "um preocupante aumento da violência física, cuja conseqüência mais grave foi o assassinato de oito jornalistas na Bolívia, Equador, Guatemala, México e Venezuela".

A segunda ameaça é a "deterioração das relações entre Governos e imprensa, caracterizado por constantes e sistemáticas agressões verbais provenientes de altas autoridades".

O terceiro golpe foi identificado no "uso inadequado de fundos públicos por Governos para pressionar meios de comunicação através de publicidade oficial".

Enfim, a quarta ameaça foi citada em "numerosas exceções que podem comprometer" leis de acesso à informação pública.

A SIP declarou que o problema de violência é especialmente preocupante no México, onde o narcotráfico tenta impor uma "lei do silêncio" em diversas regiões.

Os Governos mais criticados por prejudicaram a liberdade de imprensa foram os de Argentina, Bolívia, Equador, Honduras, Nicarágua, Paraguai, Uruguai e Venezuela.

São os Governos de presidentes "esquerdistas e intolerantes", disse eo diretor do americano "Sun-Sentinel", Earl Maucker.

Seu sucessor na Presidência, cargo anual e rotativo, o co-diretor do diário colombiano "El Tiempo", Enrique Santos, acrescentou que "Não nos inquieta, nem nos preocupa, nem nos surpreende que o Governo de Hugo Chávez questione à SIP".

O Governo de Chávez tentou desqualificar, nos últimas dias, o relatório elaborado pela SIP sobre a Venezuela.

A entidade acusa Caracas de manter a estratégia de acusar meios de comunicações de conspirações e de ameaçá-los com fechamento.

O colombiano ainda ressaltou preocupação com a dificuldade de jornais se renovarem tecnologicamente enfrentando a crise econômica.

"Há um panorama econômico muito preocupante (...) particularmente ao jornalismo impresso, com o desafio da revolução digital e o problema de como enfrentá-lo no meio desta crise", manifestou.

A SIP ainda organizou debates e seminários sobre a influência dos blogs na imprensa.

A 65ª Assembléia Geral acontecerá em Buenos Aires entre os 6 e 11 de novembro.

EFE fpb/jp

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG