Imprensa: EUA elaboram plano de paz entre Israel e palestinos

O governo dos Estados Unidos elaborou um plano de paz para o conflito israelense-palestino, com garantias para garantir o êxito, informa o jornal israelense Maariv.

AFP |

O plano, que não foi confirmado oficialmente, prevê que as negociações, com duração máxima de dois anos, terão início o mais rápido possível.

Para assegurar o sucesso das conversações, Washington enviaria cartas de garantia aos palestinos com o compromisso de fazer respeitar a data limite de dois anos.

Nenhum prazo previsto desde 1993 para o processo de paz israelense-palestino foi respeitado.

Israel pedirá a Washington que confirme o compromisso do ex-presidente George W. Bush estipulando que um acordo de paz final terá como base a troca territorial, o que permitiria a Israel manter os grandes blocos de colônias na Cisjordânia.

Segundo o plano americano, o primeiro tema na mesa de negociações seria o das fronteiras entre Israel e o futuro Estado palestino.

Este ponto seria solucionado durante o período de moratória da colonização judaica nos territórios palestinos anunciada pelo governo israelense.

As construções israelenses poderiam ser retomadas mais tarde nas regiões destinadas a ser anexadas por Israel, destaca o Maariv.

Um Estado palestino seria estabelecido na Cisjordânia e na Faixa de Gaza, com base na linha de armistício en vigor entre 1949 e 1967, mas com compensações previstas nas trocas territoriais.

Una vez que o primeiro tema seja solucionado, as negociações abordariam outros assuntos vinculados ao estatuto final: Jerusalém e o destino dos refugiados da guerra de 1948.

As conversações de paz foram suspensa ano passado, após a ofensiva israelense contra a Faixa de Gaza (27 de dezembro de 2008 a 18 de janeiro de 2009).

A negociação está bloqueada pelo tema da colonização israelense nos territórios palestinos.

Os palestinos exigem uma suspensão total dos assentamentos antes de voltr à mesa de negociações, mas Israel não aceita a demanda.

O Maariv informa que o presidente egípcio Hosni Mubarak deve recomendar ao presidente da Autoridade Palestina, Mahmud Abbas, que aceite o plano durante um encontro nesta segunda-feira em Sharm el-Sheikh.

O primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu visitou o Egito na semana passada.

ms-dlm/fp

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG