No mesmo vôo de funcionários argentinos e venezuelanos que em 2007 levou de Caracas a Buenos Aires uma mala com 800.000 dólares, quantia confiscada no desembarque, também havia uma valise com 4,2 millones, informa o jornal La Nación de Buenos Aires.

A publicação afirma que a informação foi confirmada em Washington por duas fontes independentes e que ambas têm papel importante no processo aberto no julgamento federal de Miami.

O caso da mala é objeto de um julgamento em Miami contra quatro supostos agentes ocultos da Venezuela nos Estados Unidos para tentar pressionar Guido Antonini - outro venezuelano com nacionalidade americana - para que escondesse a origem e o destino dos dólares que tentou levar irregularmente para a Argentina em 2007.

Evidências apresentadas no julgamento envolvem indiretamente os presidentes venezuelano, Hugo Chávez, e argentina, Cristina Kirchner, no envio dos 800.000 dólares, destinados supostamente ao financiamento da campanha desta última para a eleição presidencial de 28 de outubro de 2007, na qual foi vencedora.

Segundo o La Nación, "o primeiro que interessou pelo destino do dinheiro foi Diego Uzcátegui, o então presidente da filial para a Argentina e Uruguai da estatal venezuelana do petróleo PDVSA.

str/fp

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.