Imprensa americana afirma que Cúpula do G20 foi pura promessa

Washington, 16 nov (EFE).- A Cúpula do Grupo dos Vinte (G20, que reúne os países mais ricos e os principais emergentes) realizada em meio a uma crise financeira global produziu, basicamente, promessas de cooperação para tirar o mundo de seu desgaste econômico, publicou hoje o The Wall Street Journal.

EFE |

"No entanto, o grupo que se reuniu por pelo menos seis horas no Museu Nacional da Construção (NBM, na sigla em inglês) deixou a maior parte das decisões concretas para reuniões futuras", acrescentou o jornal.

"A próxima cúpula econômica será realizada antes de 30 de abril, o que pressiona o presidente eleito Barack Obama a enfrentar um enredo de problemas econômicos imediatamente após assumir seu cargo", no dia 20 de janeiro, acrescentou o jornal.

Diante da crise econômica "mais grave em décadas, os líderes do G20 entraram em acordo para cooperar, mas deixaram as decisões mais difíceis sobre como reacomodar as regulações financeiras para o próximo ano", afirmou o jornal "The New York Times".

"Isto representa um grave desafio muito rápido para o Governo de Obama", acrescentou. "É necessário ver se, quando houver um novo presidente na Casa Branca, estes governantes colocarão de lado suas divergências políticas e econômicas e apoiarão mudanças mais radicais", acrescentou.

Já o "Washington Post" afirmou que "os governantes do mundo entraram em acordo para um plano de ação de longo alcance, que, nos próximos quatro meses e meio, começará a dar nova forma às instituições financeiras internacionais e reformará as regulações e regras contábeis mundiais".

"A conferência em Washington refletiu o novo balanço de poder que emerge de uma crise financeira que devastou também as economias bem administradas", acrescentou o jornal de Washington.

Por outro lado, o jornal "The Chicago Tribune" ressaltou que "os governantes das potências industriais do mundo concluíram uma cúpula às pressas sobre a crise econômica global com o compromisso de fortalecerem a regulação dos mercados financeiros, aumentarem as receitas internacionais e evitarem novas barreiras comerciais".

"No entanto, até o próprio presidente George W. Bush, que convocou esta conferência de quase 20 nações, admitiu que suas declarações são apenas o início de um diálogo global que deve continuar", afirmou o jornal de Chicago.

O periódico "Los Angeles Times", que também disse que a cúpula foi convocada apressadamente, acrescentou que os presentes entraram em acordo em imporem "controles mais estritos sobre os mercados financeiros e em que trabalharão juntos para conter a crise econômica que se espalha pelo mundo".

"Entretanto, sua reunião foi feita à sombra da certeza de que qualquer plano de longo prazo dependerá de alguém que nem sequer estava presente: o presidente eleito Barack Obama", concluiu o jornal. EFE jab/fh/fal

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG