Akihito, 78 anos, passará por operação de revascularização coronária neste sábado em hospital da Universidade de Tóquio

O imperador do Japão, Akihito, foi internado nesta sexta-feira no Hospital da Universidade de Tóquio para ser submetido no sábado a uma cirurgia no coração.

O imperador de 78 anos trata de problemas cardíacos há cerca de um ano. Exames detectaram o estreitamento de uma das artérias coronárias do imperador e, na semana passada, os médicos decidiram fazer uma cirurgia de revascularização coronária, com a qual se pretende aumentar o fluxo sanguíneo no músculo cardíaco.

Leia também: Imperador do Japão passará por cirurgia no coração

Akihito chega a hospital de Tóquio para realizar a cirurgia
EFE
Akihito chega a hospital de Tóquio para realizar a cirurgia

A operação deve durar cerca de cinco horas. Segundo a Associação Japonesa de Cirugia Torácica, 98% dos pacientes que passam por ela não apresentam complicações.

A TV japonesa mostrou o imperador chegando sorridente com a mulher, Michiko, ao hospital. A partir desta sexta-feira e durante todo o processo pós-operatório, que pode durar duas semanas se não houver complicações, seu primogênito e príncipe herdeiro ao Trono do Crisântemo, Naruhito, assumirá as atividades oficiais. O imperador manteve sua agenda oficial até quinta-feira, quando se reuniu com diretores de escolas primárias do Japão.

Akihito, que assumiu o trono em 1989, é considerado o responsável pela diminuição da distância entre a família imperial japonesa e a população.

Ele foi operado de um câncer de próstata em 2003, e em 2008 sofreu problemas de saúde decorrentes de estresse. Meses depois, a Agência da Casa Imperial anunciou que Akihito reduziria seus compromissos oficiais.

Mas no ano passado, cinco dias depois do terremoto e do tsunami que devastaram o norte do Japão, o imperador fez um inédito pronunciamento televisivo pedindo que as pessoas se ajudassem mutuamente. Ele e Michiko viajaram à região e se reuniram com moradores que perderam suas casas no desastre.

Com EFE ou Reuters

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.