Imóveis de chefões da máfia italiana serão usados como escolas

Roma - Um total de 230 imóveis apreendidos da máfia italiana, entre eles as casas dos chefes da Cosa Nostra Toto Riina e Giovanni Brusca, serão usados para projetos educacionais e de formação profissional.

EFE |

O uso destas propriedades para projetos de educação faz parte de um acordo assinado hoje entre a direção geral do Patrimônio do Estado e o Ministério da Educação da Itália.

Segundo a ministra da Educação, Mariastella Gelmini, os imóveis apreendidos passarão de centros de crimes e violência a "lugares de esperança".

Destes 230 imóveis (120 casas, 41 locais comerciais, 40 naves industriais e 29 armazéns), 90% estão localizados no sul, onde se concentra a atividade das máfias presentes na Itália, e 60% na Sicília, terra da "Cosa Nostra".

Entre os bens estão as casas em Palermo (Sicília) dos chefes mafiosos Toto Riina e Giovanni Brusca, que cumprem prisão perpétua.

Os imóveis irão alojar laboratórios didáticos onde os jovens poderão estudar música, artes gráficas, escrita e teatro.

Na luta contra a máfia, o Governo de Silvio Berlusconi aprovou esta semana um decreto-lei para agilizar o processo de entrega dos bens confiscados ao Estado e colocá-los à disposição da comunidade.

EFE ccg/ab/fal

    Leia tudo sobre: mafia

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG