Imigração e economia preocupam eleitores brasileiros nos EUA

A questão da imigração e o desaquecimento da economia são as duas principais preocupações citadas por brasileiros ouvidos pela BBC Brasil nos Estados Unidos e que irão votar nas eleições que, em novembro, decidirão quem será o próximo presidente do país. Acredita-se que cerca de 1,3 milhão de brasileiros vivam nos Estados Unidos, mas não existem estatísticas precisas sobre o número de brasileiros naturalizados que têm direito a voto.

BBC Brasil |



Segundo o Centro do Imigrante Brasileiro, uma organização que defende os interesses da comunidade, no Estado de Massachussets cerca de 6,5 mil dos aproximadamente 17 mil naturalizados são eleitores registrados.

Fausto da Rocha, diretor-executivo do centro, acredita que esse número ainda é muito pequeno. "Quanto mais brasileiros que se tornaram cidadãos participarem das eleições, se registrarem para votar, maior poder de barganha a comunidade vai ter com os políticos na hora de aprovar projetos de interesse", disse.

Segundo ele, o fato de poucos brasileiros se registrarem para votar tem a ver com a falta de conscientização da importância do voto e o que ele pode representar para a comunidade.

"Não faz diferença"

Matilde Wosnjuk, dona do jornal Utah Brazilian News, voltado à comunidade no Estado de Utah, é uma das brasileiras que está tentando tirar sua cidadania a tempo de poder se registrar e votar em novembro.

Segundo ela, que está em Salt Lake City há 12 anos, esta eleição está empolgando mais que as anteriores, mas, mesmo assim, a maioria dos brasileiros em Utah não vai votar.

"Elas acham que não vai fazer diferença", afirma.

Mas muitos naturalizados não correspondem ao perfil descrito por Matilde. Um exemplo é Marcello Masseran, um empresário carioca radicado em Denver. Ele diz ser republicano e defende um maior rigor na entrada de imigrantes ilegais no país.

"Se abríssemos as portas neste país, não teria como, porque todo mundo quer vir morar aqui", disse. "Eu acredito que é o único país do mundo em que você pode vir sem conhecer ninguém, sem ter contato nenhum e se dar bem na vida."

Economia

Mayla e Yara Melo, duas irmãs brasileiras-americanas que moram em Nova York, também irão votar em novembro.

Elas acham que a recessão já uma realidade nos Estados Unidos e, por isso, reerguer a economia será uma tarefa fundamental para o próximo presidente.

"Se a economia não está boa, nada vai bem. Você pode ser americano, imigrante, o que for. Sendo brasileiro, você também é afetado", diz Yara.

Fausto da Rocha, do Centro do Imigrante Brasileiro, diz que sua organização está fazendo um trabalho de conscientização da comunidade para aumentar o número de eleitores.

Rocha acredita, porém, que a comunidade brasileira ainda está "a cerca de 30 anos" de ter um representante eleito, repetindo a trajetória dos hispânicos - que já tem dezenas de cadeiras no Congresso americano.

Leia mais sobre: eleições nos EUA

    Leia tudo sobre: eleições nos eua

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG