Imigração clandestina ameaça caráter judaico de Israel, diz Netanyahu

Jerusalém, 21 jan (EFE).- O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, afirmou hoje que a entrada de imigrantes clandestinos a Israel ameaça o caráter judeu do Estado e que levam a nação a índices próprios do terceiro mundo.

EFE |

Em um comparecimento na Associação de Manufatureiros de Israel, Netanyahu acusou os imigrantes que entram de forma irregular no país de ser os responsáveis da redução dos salários e de prejudicar a natureza judaica e democrática do Estado, afirma a imprensa local.

"Os infiltrados causam um dano cultural, social e econômico e nos levam para o terceiro mundo", disse o chefe do Executivo israelense, acrescentando: "sofremos um problema que, de fato, é um obstáculo ao êxito econômico de Israel".

O primeiro-ministro se referia aos imigrantes procedentes de países como o Sudão, que conseguem entrar em território israelense através da fronteira deste país com o Egito.

Estes imigrantes estão em situação ilegal em Israel e muitos deles alegam que procedem da região de Darfur, pedem asilo político e serem reconhecidos como refugiados.

No início do mês, Netanyahu ordenou a construção de uma cerca ao longo da fronteira de Israel com o Egito, de 250 quilômetros de divisa, desértica e onde, atualmente, apenas alguns marcos delimitam sua existência.

A medida está destinada a impedir a infiltração de imigrantes, assim como de terroristas ao país, indica a imprensa local.

Netanyahu afirmou hoje em seu discurso que, além de construir uma cerca, o Governo também trabalhará para fomentar o emprego local, especialmente entre os setores ortodoxos, com os quais pretende "atenuar" a ocupação de trabalhadores ilegais ou estrangeiros.

"O objetivo é garantir a natureza judaica e democrática de Israel", disse o chefe do Governo e afirmou que seu país continuará dando as boas-vindas "aos refugiados de países atingidos pela guerra".

no entanto, ressaltou: "não permitiremos que milhares de trabalhadores estrangeiros inundem o país". EFE db/an

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG