Teerã, 3 abr (EFE).- O imame do sermão das sextas-feiras, principal voz do regime islâmico iraniano, Ahmad Khatami, lembrou que o Irã iniciou há 30 anos a luta contra o imperialismo e não abandonou o lema morte aos Estados Unidos.

Diante de milhares de fiéis, concentrados na grande esplanada da Universidade de Teerã, o clérigo iraniano criticou também o fato de o presidente americano, Barack Obama, não ter mudado ainda a política em relação ao Irã como prometeu.

"Não somente não vimos a mudança, mas as autoridades norte-americanas nos acusaram de apoiar o terrorismo em sua mensagem de aproximação", afirmou o imame, membro da poderosa Assembleia de Especialistas.

Khatami insistiu em que o povo iraniano é o mesmo que há 30 anos e grita morte aos EUA mais forte que antes já que aquele país continua com as mesmas políticas.

"Os EUA não renunciaram a conspirar contra o povo do Irã e cometeu todo tipo de atos como o bloqueio dos ativos do Irã, a imposição de uma guerra de oito anos e inclusive tentou derrubar de forma branda a República Islâmica", disse.

No entanto, deixou aberta uma porta à possibilidade de empreender um novo caminho.

Teerã e Washington romperam seus laços diplomáticos em abril de 1980, uma vez consolidada a vitória da revolução islâmica liderada pelo aiatolá Ruhollah Khomeini e que derrubou a monarquia do último Xá de Pérsia, o pró-ocidental Mohamad Reza Pahlevi. EFE msh/ma

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.