Imagens de satélite comprovam que Amazonas é o maior rio do mundo

Rio de Janeiro, 2 jul (EFE) - Uma medição com imagens de satélite confirmou que o Amazonas é o rio mais extenso do mundo e que tem 140 quilômetros a mais que o Nilo, anunciou hoje o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE). O estudo foi feito a partir de imagens dos satélites sino-brasileiros CBERS e do satélite americano Lansat. Segundo a medição, o Amazonas não é apenas o rio mais caudaloso do mundo, mas também o mais extenso, com 6.992,06 quilômetros de extensão, acima dos 6.

EFE |

852,15 quilômetros do Nilo.

As medições foram feitas a partir dos dados coletados por uma expedição realizada no ano passado por cientistas brasileiros e peruanos para identificar a verdadeira cabeceira do rio Amazonas.

Os integrantes da 1ª Expedição Científica ao Nascimento do rio Amazonas, entre os quais cientistas do Instituto Geográfico Nacional (IGN) do Peru e do INPE, viajaram em maio do ano passado ao nevado Mismi e às quebradas de Carhuasanta e Apacheta, na Cordilheira dos Andes, em busca da nascente do Amazonas.

Após colocar marcos geodésicos nas quebradas que se presumiam que eram as nascentes do Amazonas e medir o caudal de cada um, os expedicionários concluíram que a cabeceira do rio estava a mais de cinco mil metros de altura acima do nível do mar e que a extensão do rio era maior que a do Nilo.

As medições apresentadas hoje pelo INPE somaram ao Amazonas 230 quilômetros.

Segundo o investigador Paulo Roberto Martini, que coordenou o estudo, para medir a extensão dos rios foram utilizadas técnicas de vigilância remota, geoprocessamento e mosaicos ortorretificados Geocover.

"A interpretação dos dados foi feita diretamente sobre as imagens a partir do Sprig, um software de geoprocessamento desenvolvido pelo INPE", informou o organismo em comunicado.

As medidas foram tomadas sobre imagens de satélite com altas resoluções espaciais, de até 250 metros.

"A metodologia pode ser aplicada para qualquer rio do planeta que esteja coberto por imagens Modis (do satélite Landsat) ou pela câmera WFI do CBERS, que também tem uma resolução espacial de 250 metros", segundo Martini.

De acordo com o INPE, o trabalho que mediu a extensão dos rios Amazonas e Nilo será apresentado no 13º Simpósio Latino-americano de Percepção Remota, previsto para setembro em Havana. EFE cm/db

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG