Imagens de satélite apontam para limpeza étnica no Iraque

Por Maggie Fox WASHINGTON (Reuters) - Imagens noturnas de satélite mostram que bairros sunitas de Bagdá começaram a se esvaziar antes do envio de reforços militares norte-americanos, em 2007, numa demonstração visual da limpeza étnica que antecedeu à redução da violência no país, segundo um relatório publicado na sexta-feira.

Reuters |

Organizações internacionais de refugiados e especialistas em Iraque dizem que a violência sectária diminuiu em grande parte por causa de mudanças populacionais, especialmente na capital, epicentro de uma quase guerra civil que matou centenas de milhares a partir de fevereiro de 2006, quando ocorreu uma explosão na importante mesquita xiita de Samarra.

A minoria sunita foi expulsa de muitos bairros por militantes xiitas antes que os EUA enviassem cerca de 30 mil soldados adicionais. '[Quando os reforços chegaram] muitos dos alvos do conflito já haviam sido mortos ou fugido do país, e desligaram as luzes quando partiram', disse em nota o professor de Geografia John Agnew, da Universidade da Califórnia-Los Angeles, que dirigiu o estudo.

'Essencialmente, nossa interpretação é que a violência declinou em Bagdá por causa da violência intercomunitária que atingiu um clímax quando a maré [de reforços] estava começando', disse Agnew, especialista em conflitos étnicos.

Há cerca de 2 milhões de refugiados internos no Iraque e outros 2 milhões nas vizinhas Síria e Jordânia. Bairros antes mistos em Bagdá agora são homogeneamente sunitas ou xiitas.

O estudo, publicado na revista Environment and Planning A, alimenta a polêmica em torno do mérito dos EUA em impedir uma guerra civil no Iraque. 'Nossas descobertas sugerem que essa onda não teve um efeito observável, exceto no sentido de que ajudou a criar um selo de aprovação para um processo de homogeneização etno-sectária dos bairros que agora está largamente concluído', escreveu o grupo de Agnew em um relatório.

Foram usadas imagens públicas, feitas com infravermelho por um satélite meteorológico da Força Aérea dos EUA.

'Em geral, a iluminação noturna de Bagdá desde a invasão dos EUA parece ter melhorado entre 2003 e 2006, e então declinado dramaticamente entre 20 de março de 2006 e 16 de dezembro de 2007', diz o estudo.

Nesse período, as luzes da favela xiita de Sadr City continuaram constantes, assim como na Zona Verde (área central com órgãos públicos e embaixadas). Houve aumento também no bairro xiita de Nova Bagdá, na zona leste.

Imagens de satélites já foram usadas como documentação de deslocamentos forçados em Myanmar e limpeza étnica em Uganda.

(Reportagem de Maggie Fox)

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG