Publicidade
Publicidade - Super banner
Mundo
enhanced by Google
 

Ike provoca rajadas de ventos ao deixar Cuba e avança pelo Golfo do México

O furacão Ike livrou Havana de sua fúria no fim da tarde desta terça-feira. Ike abandonou a costa noroeste de Cuba e agora avança pelo Golfo do México, rumo aos Estados Unidos, informou o chefe de previsões do Instituto de Meteorologia da ilha (Insmet), José Rubiera.

Redação com agências internacionais |


Com ventos máximos sustentados de 120 km/h, o ciclone abandonou o território cubano minutos antes das 16h (17h em Brasília). Após 36 horas na ilha, que obrigaram à evacuação de mais de 1,2 milhão de pessoas, o furacão, agora de categoria 1 na escala Saffir-Simpson (de um máximo de 5), deixou Havana paralisada durante parte da manhã com quedas de galhos, derrubadas de cercas e uma constante chuva, em alguns momentos bastante intensa.

Até agora, os incidentes em Havana são pequenos se comparados aos desastres no leste de Cuba, onde pelo menos quatro pessoas morreram e mais de 20 ficaram feridas. Segundo meios de comunicação cubanos, dois homens foram eletrocutados quando tentaram tirar uma antena que caiu sobre uma linha de força. As outras duas vítimas fatais foram uma mulher que morreu após sua casa ruir e um homem que foi esmagado quando uma árvore caiu sobre a casa dele.

Enquanto os dados dos prejuízos econômicos começam a se acumular, a Defesa Civil deu como iniciada a fase de recuperação nas províncias do leste, de Camagüey até Guantánamo, salvo em Granma, onde só dois municípios estão nessa fase.

Ike chegou ao oeste de Cuba pelo cabo de La Capitana, cerca de 60 quilômetros ao sudoeste de Havana, cidade onde, segundo autoridades, 16 construções caíram e cerca de 250 mil pessoas foram retiradas de áreas de baixa altitude e habitações frágeis antes da chegada do Ike.

A capital da ilha está com as ruas vazias e as lojas do comércio todas fechadas. "Parece que Havana foi invadida por um exército de fantasmas", afirmou Maria Valdez, moradora da cidade.

Os hospitais, edifícios públicos e os albergues onde estão parte dos 170.000 desabrigados da cidade contam com geradores de energia elétrica, mas o restante da cidade está no escuro.

Mais de 20.000 pessoas foram retiradas de Havana Velha, diante do risco de derrubadas de antigas casas e edifícios, em mal estado de conservação.

A Federação Internacional da Cruz Vermelha lançou nesta terça-feira um apelo para arrecadar 5,8 milhões de dólar es para apoiar a ação humanitária de sua filial cubana, que enfrenta esta temporada de furação devastadora.

16 vezes mais fracos que Gustav

O diretor de Previsões do Instituto de Meteorologia (Ismet), José Rubiera, explicou que Ike, com ventos máximos sustentados de 130 km/h, é 16 vezes mais fraco que Gustav, que afetou Pinar del Río e a Isla de la Juventud em 30 de agosto com ventos sustentados de 240 km/h e seqüências de 340 km/h.

Gustav não deixou mortos em Cuba, mas destruiu ou danificou 140 mil imóveis, mais de 500 escolas e centros sanitários, milhares de hectares de cultivos, dezenas de torres de comunicações e de alta tensão e redes elétricas e telefônicas.

Mais de cinco mil armazéns dedicados à secagem de folhas de tabaco em Pinar del Río foram destruídos ou danificados.

Agorak, Ike afeta a mesma região, após ter deixado, desde domingo, pelo menos quatro mortos, dezenas de feridos, grandes inundações e perdas multimilionárias em cidades, povoados e campos do leste e centro do país.

Com informações da Reuters e EFE

Leia mais sobre Ike

Leia tudo sobre: ike

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG