Ike provoca fuga em massa no Texas

A população do Texas fugia nesta sexta-feira do furacão Ike, que com ventos de 175 km/h ameaça colocar sob as àguas várias localidades do litoral, incluindo a cidade de Galveston, onde já vigora o toque de recolher.

AFP |

Às 23H00 GMT (20H00 Brasília), o centro de Ike estava sobre o Golfo do México, a 160km de Galveston, segundo o Centro Nacional de Furacões (NHC), e deve tocar a costa texana na noite de hoje ou madrugada de sábado.

A prefeita de Galveston, Lyda Ann Thomas, decretou hoje o toque de recolher para as próximas três noites e instalou um abrigo de emergência para as pessoas que não abandonaram a região.

A ilha de Galveston foi totalmente inundada há 108 anos por um maremoto provocado por um furacão, que deixou mais de 8 mil mortos, na pior catástrofe natural da história americana.

O governador do Texas, Rick Perry, qualificou o furacão de "monstruoso" e pediu às pessoas que permanecem na zona ameaçada que saiam imediatamentee, incluindo os 14.500 habitantes que decidiram ficar em Galveston.

Perry destacou que cerca de 1,2 milhão de pessoas já foram evacuadas da costa texana.

Muitos moradores de Houston, a quarta maior cidade do país, com 2,2 milhões de habitantes, também abandonaram suas casas.

Houston abriga o Centro de controle da Nasa, que fechou suas portas na quinta-feira. A Nasa informou que o Ike adiou em vários dias a missão da nave russa Progress na Estação Espacial Internacional.

Por precaução, muitas refinarias foram fechadas, sobretudo na região de Houston, reduzindo em cerca de 12% as capacidades de refino dos Estados Unidos, segundo o analista Phil Flynn.

Segundo o governador Perry, o furacão pode provocar danos de 100 bilhões de dólares no Texas, o que o transformaria na catástrofe natural mais cara da história dos Estados Unidos.

O furacão Katrina, considerado a catástrofe natural mais cara da história americana, provocou danos avaliados pelas seguradoras em 68,5 bilhões de dólares em 2005.

Os danos podem ser muito graves se a subida das águas, estimada pelos especialistas em cerca de seis metros, provocar o transbordamento do canal que liga o porto de Houston ao Golfo do México, explicou Perry ao canal de informações financeiras CNBC.

Segundo o NHC, a região costeira de Galveston será totalmente inundada pela passagem do Ike e quem ficar na zona, mesmo em prédios de dois andares, enfrentará a "morte certa".

Fortes ventos e altas ondas já começaram a atingir Galveston, que estava deserta, com lojas e casas reforçadas com placas de madeira.

"Os efeitos deste furacão podem ser semelhantes aos de um tsunami", advertiu o tenente David Dewhurst.

O presidente George W. Bush, que decretou o estado de emergência, se disse nesta sexta-feira "muito preocupado". "Peço aos texanos como eu que escutem atentamente o que dizem as autoridades".

Pelo menos 1.500 soldados americanos foram mobilizados para intervir em caso de emergência e o porta-aviões USS Nassau, com 45 helicópteros e quatro aviões, vai zarpar em breve rumo ao Golfo do México, anunciou Bryan Whitman, porta-voz do Pentágono.

bur/yw/LR

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG