O furacão Ike alcançou neste sábado as costas do Texas, acompanhado por ondas gigantescas e ventos de extrema violência, ao mesmo tempo em que milhares de habitantes se negaram a deixar o estado, apesar das ordens de evacuação.

"Informações de radar e observações na superfície indicaram que o olho do furacão Ike chegou a Galveston, Texas, às 02H10 locais (04H10 de Brasília)", informou o Centro Nacional de Furacões (NHC) com sede em Miami.

Porém, o Ike caiu para a categoria 1 na escala Saffir-Simpson, que vai até 5, anunciou o NHC.

"Às 13H00 (10H00 de Brasília), o furacão estava sobre o território americano, 30 km ao sul de Huntsville (Texas) com ventos de 145 km/h".

"O Ike deve perder ainda mais força à medida que seu centro avance para o interior do país", explica um comunicado do NHC, que acrescenta, no entanto, que o fenômeno continuará sendo um furacão à tarde.

Ike, um furacão do tamanho do próprio estado do Texas, chegou na manhã deste sábado com ventos de 175 km/h e seguia em direção ao sul de Houston, a quarta maior cidade dos Estados Unidos, com 2,2 milhões de habitantes e centro petrolífero por excelência, situada a 70 quilômetros da estação balneária de Galveston.

Esta pequena cidade, situada em uma ilha entre uma lagoa e o Golfo do México, com 58.000 habitantes, permanece sem energia elétrica desde sexta-feira porque a água do mar misturada à lama invadiu as ruas.

Os ventos castigam a região, que registra ainda ondas gigantescas de até cinco metros de altura, que ultrapassam o dique de proteção da ilha e atingem a faixa de areia, além das infra-estruturas turísticas da costa.

A prefeita de Galveston, Lyda Ann Thomas, ordenou um toque de recolher durante a madrugada até segunda-feira.

Porém, apesar das advertências, apenas 38.000 dos habitantes de Galveston abandonaram a região, segundo a prefeitura.

As autoridades criaram um abrigo de emergência em uma escola, capaz de abrigar 2.200 pessoas.

As autoridades do balneário de Galveston anunciaram ainda que temem encontrar muitas vítimas após a passagem do Ike, quando os bombeiros tiverem condições de constatar os danos na região.

"Até agora foi fácil", declarou um bombeiro refugiado em um hotel. "Porém, juntar os corpos será outra coisa, pelo número de chamados que recebemos ontem, quando não podíamos ir a lugar nenhum".

O corpo de bombeiros decidiu na noite de sexta-feira não atender mais os pedidos de ajuda, levando em consideração a força dos ventos. Apesar da ordem de evacuação anunciada na quinta-feira, milhares de moradores desafiaram os riscos e permanecerão em Galveston.

"Ainda não temos uma avaliação dos danos, mas recebemos uma centena de chamados de pessoas desesperadas que se trancaram em seus abrigos", declarou à AFP o porta-voz da prefeitura.

O Ike também causou muitos prejuízos em edifícios importantes no centro de Houston, que registrou cenas de árvores derrubadas e pedaços de telhas nas ruas, mas a energia elétrica seguia funcionando sem maiores problemas.

O Ike segue em sentido norte/nordeste e chegará ao Arkansas (sul) ao entardecer, segundo o NHC.

O presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, anunciou neste sábado uma simplificação dos procedimentos de importação de petróleo para responder as dificuldades de fornecimento provocadas pela passagem do furacão sobre as refinarias da região de Houston.

"Nossa administração agiu rapidamente", afirma um comunicado lido por Bush na televisão, no qual explica que suspendeu algumas restrições para "facilitar as importações" de gasolina para que o combustível possa "chegar ao mercado".

"O Departamento de Energia, a Federal Trade Comission (organismo que controla as condições da concorrência) e as autoridades do Estado vigiarão os preços da gasolina, para que os consumidores sejam tratados de modo justo", disse.

Uma primeira estimativa, da empresa priva Eqecat, com base em modelos matemáticos, calcula os prejuízos provocados pelo Ike entre 8 e 18 bilhões de dólares.

Os maiores danos se concentraram nos condados de Brazoria, Harris, Galveston, Chamberts e Jefferson.

cha/fp/nh/

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.