Ike deixa 47 mortos no Haiti, cai para categoria 3, mas ainda ameaça Cuba

O furacão Ike fez 47 mortos no Haiti e, apesar de cair para categoria 3, se dirigia ameaçadoramente para Cuba, onde mais de 700.000 pessoas foram evacuadas, e para a Flórida, onde o presidente George W. Bush decretou estado de emergência.

AFP |

Ike, com ventos de 215 km/hora (categoria 4 na escala Saffir-Simpson de 5), provocou fortes chuvas e inundações que mataram 47 pessoas no empobrecido Haiti, onde mais de 600 pessoas morreram na recente passagem dos furacões Hanna e Gustav e da tempestade tropical Fay.

Na vizinha República Dominicana Ike deixou amplas regiões inundadas, mas as autoridades não informaram sobre vítimas, depois da evacuação preventiva de mais de 44 mil pessoas.

Depois de causar importantes danos nas ilhas Turcas e Caicos, Ike alcançou Bahamas neste domingo e se abateu sobre a ilha de Great Inagua (sudeste).

Em Cuba, as províncias de Guantánamo, Santiago de Cuba, Granma, Holguín, Las Tunas, Camagüey, Ciego de Avila, Villa Clara, Sancti Spiritus, Cienfuegos, Matanzas, Havana e a Cidade de Habana se encontram em "alerta de ciclone", segundo a Defesa Civil, que já evacuou cerca de 700 mil pessoas.

Mais de 13.000 turistas, sendo que 9.210 estrangeiros, foram evacuados no balneário de Varadero, principal polo turístico de Cuba, informou o ministério do Turismo.

Um total de 120.000 pessoas, incluindo os 13.000 turistas, foram evacuadas neste domingo da província ocidental de Matanzas, em cuja península de Hicacos - o ponto mais setentrional de Cuba - se localiza o principal balneário cubano.

Fundado há mais de cem anos, Varadero conta com 17.000 quartos oferecidos por meia centena de hotéis de cadeias estrangeiras e atrai anualmente 40% dos mais de dois milhões de turistas que viajam à ilha.

Ike se aproxima de Cuba uma semana depois que o furacão Gustav a atravessou com potentes ventos da categoria 4 e rajadas de até 340 km/h, sem deixar mortos, mas milhares de de flagelados.

No sábado, Cuba solicitou a suspensão do embargo para que as empresas americanas possam abrir créditos e ajudar os cubanos afetados pelo furacão Gustav.

"Se o governo dos Estados Unidos tem realmente a vontade de cooperar com o povo cubano diante da tragédia causada pelo furacão, pedimos a suspensão do embargo", dizia o comunicado do ministério cubano das Relações Exteriores.

Mas a secretária de Estado americana, Condoleezza Rice, durante uma visita ao Marrocos, afirmou neste domingo que os Estados Unidos não estão preparados para suspender seu embargo comercial a Cuba.

"Não acredito que, no contexto atual, a suspensão do embargo seja uma medida acertada", enfatizou Rice.

Ike pode, em seguida, atingir os recifes da Flórida em seu trajeto para o Golfo do México - onde os Estados Unidos produzem mais de 26% de seu petróleo - e depois seguir provavelmente para Lousiana.

Enquanto isso, a tempestade tropical Hanna se desloca pela costa leste dos Estados Unidos, com poderosos ventos e fortes aguaceiros. Passou pela Carolina do Norte e Carolina do Sul, se abateu sobre a Virgínia, castigava a Nova Inglaterra e se dirigia para o nordeste de Massachusetts.

mis/cn

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG