Ike chega à região cubana devastada por Gustav há dez dias

HAVANA - O furacão Ike, que já causou quatro mortes em Cuba, apesar de ter caído para categoria 1 na escala Saffir-Simpson, que vai até 5, entrou nesta terça-feira na província de Pinar del Río (oeste), devastada há dez dias por Gustav, que tinha então nível 4.

Redação com agências internacionais |


Ike chegou ao oeste de Cuba pelo cabo de La Capitana, cerca de 60 quilômetros ao sudoeste de Havana, cidade que foi quase castigada por rajadas de vento de 120 km/h, segundo relatórios meteorológicos oficiais.

Autoridades disseram que, na terça-feira, 16 construções caíram e cerca de 250 mil pessoas foram retiradas de áreas de baixa altitude e de habitações frágeis antes da chegada do Ike.

A capital da ilha está com as ruas vazias e as lojas do comércio todas fechadas. "Parece que Havana foi invadida por um exército de fantasmas", afirmou Maria Valdez, moradora da cidade.

Reuters

Morador de Havana conserta o telhado
destruído pelos ventos do "Ike"

Os hospitais, edifícios públicos e os albergues onde estão parte dos 170.000 desabrigados da cidade contam com geradores de energia elétrica, mas o restante da cidade está no escuro.

Mais de 20.000 pessoas foram retiradas de Havana Velha -Patrimônio da Humanidade, diante do risco de derrubadas de antigas casas e edifícios, em mal estado de conservação.

Segundo meios de comunicação cubanos, dois homens foram eletrocutados quando tentaram tirar uma antena que caiu sobre uma linha de força. As outras duas vítimas fatais foram uma mulher que morreu após sua casa ruir, e um homem que foi esmagado quando uma árvore caiu sobre a casa dele.

A Federação Internacional da Cruz Vermelha lançou nesta terça-feira um apelo para arrecadar 5,8 milhões de dólar es para apoiar a ação humanitária de sua filial cubana, que enfrenta esta temporada de furação devastadora.

16 vezes mais fracos que Gustav

O diretor de Previsões do Instituto de Meteorologia (Ismet), José Rubiera, explicou que Ike, com ventos máximos sustentados de 130 km/h, é 16 vezes mais fraco que Gustav, que afetou Pinar del Río e a Isla de la Juventud em 30 de agosto com ventos sustentados de 240 km/h e seqüências de 340 km/h.

Gustav não deixou mortos em Cuba, mas destruiu ou danificou 140 mil imóveis, mais de 500 escolas e centros sanitários, milhares de hectares de cultivos, dezenas de torres de comunicações e de alta tensão e redes elétricas e telefônicas.

Mais de cinco mil armazéns dedicados à secagem de folhas de tabaco em Pinar del Río foram destruídos ou danificados.

Agorak, Ike afeta a mesma região, após ter deixado, desde domingo, pelo menos quatro mortos, dezenas de feridos, grandes inundações e perdas multimilionárias em cidades, povoados e campos do leste e centro do país.

Trajetória

Rubiera disse na televisão estatal que a intensidade de Ike seguirá aumentando durante a manhã e que sua área de influência "cobre todo o oeste de Cuba".

A atual trajetória indica que entrará em águas do Golfo do México perto de El Rosario, no norte de Pinar del Río, entre as 14h e 16h (15h e 17h em Brasília).

Os ventos com força de tempestade tropical abrangem as províncias de Isla de la Juventud, Pinar del Río, cidade de Havana, província de Havana e Matanzas (nesta última se encontra Varadero, o maior pólo turístico cubano).

O "alarme ciclônico" foi levantada pela Defesa Civil na maioria das províncias centrais e leste.

Com informações da Reuters

Leia mais sobre Ike

    Leia tudo sobre: ike

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG