IFJ pede investigação de ataque de tropas dos EUA a jornalista iraquiana

Bruxelas, 7 jan (EFE).- A Federação Internacional de Jornalistas (IFJ, na sigla em inglês) pediu hoje uma investigação independente e exaustiva do incidente em que uma jornalista iraquiana ficou gravemente ferida ao ser baleada por soldados americanos.

EFE |

Hadil Emad, de 25 anos e editora da "Biladi TV", foi baleada no último dia 1º enquanto se dirigia a sua casa, no distrito iraquiano de Al-Karrada, assinalou a IFJ em comunicado.

"As circunstâncias do incidente envolvendo nossa colega são suspeitas, e pedimos uma investigação completa, independente e exaustiva para determinar o que levou os soldados americanos a balear uma jovem desarmada", afirmou o secretário-geral da IFJ, Aidan White.

White indicou que as autoridades militares americanas alegaram que a jornalista foi baleada porque "agiu de forma suspeita e não respondeu aos avisos dos soldados".

A IFJ considerou que "não havia nada de suspeito sobre Emad, uma jornalista que voltava para casa", e ressaltou sua preocupação com a forma como as forças dos EUA tratam os civis e a imprensa no Iraque.

Lembrou que as autoridades militares americanas mantiveram em uma prisão o fotógrafo jornalístico Jassam Mohammed, embora um tribunal iraquiano tivesse ordenado sua libertação. EFE rcf/mh

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG