Iêmen diz que não recebeu advertência dos EUA sobre terrorista nigeriano

Sana, 29 dez (EFE).- As autoridades iemenitas afirmaram hoje que não receberam nenhuma advertência dos Estados Unidos relacionada ao nigeriano que no último dia 25 tentou cometer um atentado dentro de um voo da companhia americana Northwest Airlines, depois de ter visitado o Iêmen.

EFE |

O ministro da Informação iemenita, Hassan al Luzi, disse a jornalistas que Umar Farouk Abdulmutallab, autor da tentativa de atentado contra o avião que fazia um voo entre Amsterdã e Detroit, não aparece nas listas de terroristas entregues por Washington a Sana.

Segundo Luzi, Abdulmutallab visitou o Iêmen duas vezes: a primeira em 2004 e permaneceu no país até 2005, e a segunda em agosto passado, deixando o território iemenita já neste mês de dezembro.

O nigeriano entrou no Iêmen com o pretexto de estudar árabe, acrescentou o ministro.

"Se o Iêmen tivesse informações que dissessem que esta pessoa estava na lista de possíveis terroristas, não teria podido entrar nem sair do país", disse Luzi.

Além disso, o ministro afirmou que o Governo de Sana deu instruções às embaixadas iemenitas para que não concedam vistos de estudos para nenhuma pessoa sem permissão do Ministério do Interior.

O grupo terrorista Al Qaeda na Península Arábica assumiu ontem a autoria da tentativa de atentado contra o avião em comunicado divulgado em fóruns virtuais islâmicos.

O comunicado, que incluía uma foto que parece ser de Abdulmutallab - chamado de "mártir" pela Al Qaeda -, diz que sua ação foi perpetrada "com valentia e coragem".

Segundo o grupo terrorista, a ação foi uma represália "pela injusta agressão americana contra a Península Arábica" e reconheceu que a bomba carregada por Abdulmutallab não explodiu devido a uma "falha técnica".

Em janeiro deste ano, a Al Qaeda anunciou que tinha instalado no Iêmen uma nova estrutura regional que absorvia os quadros da Arábia Saudita, tudo isso sob a direção de Nasser al Wahshi, também conhecido como o nome de guerra de Abu Bashir. EFE ja/bba

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG