Iêmen confirma que autor de ataque frustrado vivia no país

As autoridades do Iêmen confirmaram nesta terça-feira que o nigeriano acusado de tentar explodir um avião nos Estados Unidos no dia do Natal estava vivendo no país até o início deste mês. Agora o Iêmen investiga os contatos que ele teria feito durante sua estada no país.

BBC Brasil |

AFP
O nigeriano autor do atauqe
O nigeriano autor do atauqe

Segundo o Ministério das Relações Exteriores do Iêmen, Umar Farouk Abdulmutallab, de 23 anos, esteve no país de agosto até o início de dezembro, com um visto para estudar árabe em uma instituição da capital do país, Sanaa. 

Abdulmultallab foi contido por passageiros e tripulantes de um vôo da Northwest Airlines entre Amsterdã e Detroit ao tentar detonar explosivos escondidos na roupa, quando a aeronave se preparava para pousar no aeroporto da cidade americana.

Um porta-voz do ministério disse que os serviços de segurança iemenitas estão agora tentando estabelecer os contatos feitos por Abdulmutallab no país, para cooperar com as autoridades americanas na investigação do incidente.

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, afirmou na segunda-feira à noite que não descansará enquanto não levar os responsáveis pelo atentado frustrado à Justiça .

"Usaremos todo nosso poder para paralisar, desmantelar e derrotar os violentos extremistas que nos ameaçam, venham eles do Afeganistão ou Paquistão, Iêmen ou Somália ou de qualquer lugar onde planejem ataques contra os Estados Unidos", disse Obama, que interrompeu suas férias de fim de ano para fazer um pronunciamento à nação.

Responsabilidade

Um grupo de monitoramento dos Estados Unidos disse que uma facção regional da Al-Qaeda baseada no Iêmen assumiu a responsabilidade pelo ataque frustrado.

Uma mensagem na internet da Al-Qaeda na Península Arábica, que inclui uma fotografia supostamente de Abdulmutallab em frente de uma faixa do grupo, diz que a ação foi uma resposta aos ataques dos Estados Unidos contra seus membros.

Abdulmutallab foi indiciado por tentar explodir o voo que levava quase 300 pessoas no dia 25 e está em uma prisão federal no Estado de Michigan.

Ele teria dito a agentes do FBI, a polícia federal americana, que membros da Al-Qaeda no Iêmen deram a ele os explosivos, afirmando que outros atentados como o seu serão cometidos em breve .

Contatos interrompidos

Na segunda-feira, a família de Abdulmutallab, cujo pai é um importante banqueiro nigeriano, disse estar surpresa com suas ações. Segundo a família, ele teria interrompido seus contatos com eles em outubro.

Nesta terça-feira, um porta-voz do Ministério das Relações Exteriores do Iêmen disse que Abdulmutallab deixou o país em direção à Etiópia no início de dezembro, após quatro meses matriculado em um curso de árabe.

"O visto foi concedido para o nigeriano após as autoridades verificarem que ele poderia conseguir vistos de outros países amigos e de ter visto que ele ainda tinha um visto válido para os Estados Unidos", afirmou o porta-voz.

Segundo ele, "o Iêmen condena atentados terroristas como esse, com inocentes como alvo, e reitera seu total apoio à guerra contra o terror em qualquer lugar".

As autoridades americanas temem que mais jovens treinados pela Al-Qaeda possam estar no país planejando ataques a aviões americanos.

Guantánamo

A TV ABC afirmou que entre o grupo que teria planejado o ataque estariam dois homens libertados pelos Estados Unidos da prisão da baía de Guantánamo em novembro de 2007.

Mohammed Attik al-Harbi, também conhecido como Mohammed al-Awfi, e Said Ali Shari foram enviados à Arábia Saudita, seu país natal, para um programa de reabilitação, e depois libertados, segundo autoridades americanas e sauditas.

Ambos apareceriam em um vídeo de janeiro ao lado de um homem descrito como o líder da Al-Qaeda na Península Arábica, Nasser Abdul Karim al-Wahishi, segundo a ABC.

Na segunda-feira, a secretária de Segurança Interna dos Estados Unidos, Janet Napolitano, disse que os sistemas de segurança dos aeroportos falharam no caso de Abdulmutallab.

Ela questionou por que as autoridades não revogaram o visto do nigeriano para os Estados Unidos, emitido em junho de 2008 e com validade de dois anos para múltiplas entradas, após seu pai ter entrado em contato com a Embaixada dos Estados Unidos da Nigéria para relatar sua preocupação com a radicalização do filho.

O nome de Abdulmutallab foi incluído numa lista de 500 mil nomes chamada Ambiente Datamart de Identidades Terroristas (Tide, na sigla em inglês), mas as informações fornecidas pelo seu pai não foram suficientes para colocá-lo numa lista mais restrita de pessoas impedidas de voar.

Solidão

Segundo o jornal "The Washington Post", mensagens na internet aparentemente escritas por Abdulmutallab entre 2005 e 2007 sugeririam que o jovem nigeriano se sentia "solitário" e "nunca encontrou um verdadeiro amigo muçulmano".

"Não tenho ninguém com quem conversar", diz uma mensagem postada sob o codinome farouk1986 em janeiro de 2005, quando frequentava um internato no Togo.

"Não tenho ninguém para consultar, ninguém para me apoiar e me sinto deprimido e solitário. Não sei o que fazer. E então eu penso que essa solidão me leva para outros problemas", diz a mensagem.

Leia mais sobre terrorismo

    Leia tudo sobre: atentado suicidaaviãoterrorismo

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG