Iata defende controles reforçados com outras medidas nos aeroportos

Genebra, 5 jan (EFE).- A Associação Internacional de Transporte Aéreo (Iata) considerou hoje que uma das lições que pode ser tirada da fracassada tentativa de atentado aéreo em 25 de dezembro é a importância de combinar controles reforçados com informações provenientes dos sistemas de inteligência.

EFE |

Neste sentido, pediu ao Departamento de Segurança Nacional e à Agência de Segurança do Transporte (TSA) dos Estados Unidos a colaborar com suas entidades homólogas em outros países para idealizar uma "nova geração" de sistemas de segurança.

Segundo a entidade internacional, essa colaboração deveria dar aos responsáveis por aplicar os controles adicionais nos aeroportos a possibilidade de fazer isso em função de uma avaliação eficaz do risco.

A Iata afirmou também que entende a adoção de medidas de urgência extras adotadas pelo Governo americano, após a tentativa de explodir um avião da companhia Northwest que fazia a rota Amsterdã-Detroit.

Lembrou que a posição da Iata, como entidade que representa mais de 200 companhias aéreas, foi a de incentivar a cooperação entre as autoridades dos EUA e do resto do mundo para melhorar a segurança, deixando claro que o sistema de transporte aéreo não pode suportar revisões corporais minuciosas de todos os passageiros a longo prazo.

Por outro lado, certa porcentagem dessas revisões corporais, junto com a tecnologia adequada, pode reduzir os atrasos e cobrir os requerimentos de segurança, afirmou a Iata. EFE is/an

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG