Hungria decreta estado de emergência após vazamento tóxico

Ruptura de um dique espalhou substância conhecida como "barro vermelho" em três regiões do país, causando quatro mortes

EFE |

O governo da Hungria declarou estado de emergência em três regiões do país nesta terça-feira por causa do vazamento de uma lama tóxica de uma empresa de alumínio. Segundo autoridades, quatro pessoas morreram, 120 foram feridas e seis estão desaparecidas.

O vazamento ocorreu na segunda-feira na cidade de Ajka, depois da ruptura de um dique de um material conhecido como "barro vermelho". Trata-se de uma substância tóxica, corrosiva e alcalina que é formada durante a produção de alumínio.

As vítimas fatais foram arrastadas pelo lodo formado pela água combinada a um milhão de metros cúbicos da substância química. As autoridades decretaram estado de emergência nos condados de Veszprem, Gyor-Moson-Sopron e Vas.

Os 120 feridos sofreram queimaduras de diferentes graus ao terem contato com a substância corrosiva, sendo que oito deles estão em estado grave, de acordo com os serviços médicos.

"É uma catástrofe ecológica", afirmou o secretário de Estado do Meio Ambiente, Zoltán Illés, que indicou que o vazamento ameaça três rios húngaros, incluindo o Danúbio, o segundo mais longo da Europa.

Para evitar que a substância cause maiores danos, as equipes de resgate, em helicópteros, tentam lançar gesso sobre a lama tóxica, assim como diferentes produtos neutralizadores sobre o rio Marcal.

Em Devecser, no condado de Veszprem, a água contaminada inundou mais de 400 imóveis, obrigando a evacuação de seus habitantes. Nos locais afetados foi proibida a circulação da população até que as operações de resgate sejam concluídas.

    Leia tudo sobre: hungriavazamentocontaminação

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG