Hugo Chávez acusa general boliviano de não obedecer Evo Morales

O presidente venezuelano, Hugo Chávez, acusou neste domingo o comandante em chefe das Forças Armadas da Bolívia, general Luis Trigo, de não obedecer às ordens de Evo Morales, voltando a dizer que não ficará de braços cruzados se o presidente for derrubado.

AFP |

Sem revelar suas fontes, Chávez disse que o general Trigo "ao invés de cumprir o decreto presidencial do estado de sítio, ordenou que as tropas se aquartelassem e abandonassem o aeroporto" da conturbada região de Pando (norte).

"Isso significa a proteção da soberania. Coisa estranha, general Trigo. Felizmente, soldados de outras hierarquisas fiéis ao governo estão cumprindo as ordens de Evo Morales", disse Chávez em tom irônico.

Na quinta-feira, Chávez disse que caso seu amigo e aliado Evo Morales, pressionado por uma violenta crise política em seu país, seja "derrubado ou assassinado", ele interpretaria essa ação como "um sinal verde para apoiar qualquer movimento armado na Bolívia".

O general Trigo, por sua vez, leu um comunicado em resposta a Chávez na sexta afirmando que as Forças Armadas bolivianas não permitiriam ingerências estrangeiras em assuntos internos do país.

"Andam dizendo que estou ameaçando invadir a Bolívia. Não, não, não. Mas se acontecer alguma coisa a Evo, que Deus o guarde, não vou ficar de braços cruzados", declarou Hugo Chávez neste domingo.

"Que bom seria ouvir você dizer algo sobre a ingerência (dos Estados Unidos). Você se cala diante da ingerência grosseira do império e então venho eu, que sou irmão da Bolívia, e você vem dizer que eu isso e que não sei mais o quê", continuou.

"Me mostre que estou equivocado e cumpra com sua obrigação, expressa na Constituição da Bolívia", concluiu o presidente venezuelano, que se declarou disposto "a morrer pela Bolívia" da mesma maneira que faria pela Venezuela.

bl/ap

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG