Katmandu, 11 set (EFE).- A organização de defesa dos direitos humanos Human Rights Watch (HRW) pediu hoje ao Governo maoísta do Nepal que acabe com a impunidade dos responsáveis pelas violações aos direitos da população.

Em um relatório divulgado nesta quinta-feira sob o título "À espera de justiça: crimes impunes no conflito armado do Nepal", a HRW faz referência a 62 casos de assassinatos, desaparecimentos e torturas registrados durante a guerra contra a guerrilha maoísta (1996-2006).

Após a assinatura de um acordo de paz no fim de 2006, a antiga guerrilha maoísta assumiu o poder no país.

A ONG requisitou ao novo Executivo que "investigue com rigor e julgue todos os responsáveis, mesmo os membros das forças de segurança, nos casos citados no relatório, assim como em outros casos de violações dos direitos humanos".

No documento, a HRW também pede às autoridades a suspensão dos membros das forças de segurança envolvidos em casos ainda sem provas, até que as investigações sobre os mesmos terminem.

O diretor da organização na Ásia, Brad Adams, lembrou em comunicado que "os maoístas diziam que pegaram em armas porque não havia justiça".

"Agora que estão no Governo, esperamos que tenham a coragem de levar os responsáveis à Justiça", cobrou Adams.

O líder dos maoístas, Pushpa Kamal Dahal, conhecido como Prachanda, foi nomeado primeiro-ministro do país em agosto, depois que seu partido venceu as eleições para a Assembléia Constituinte realizadas em abril. EFE ms/sc

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.