Nova York, 21 mai (EFE).- A organização Human Rights Watch (HRW) afirmou hoje que o secretário-geral da ONU e outros Governos que participarão da conferência sobre Mianmar (antiga Birmânia), no próximo final de semana, devem se concentrar no acesso urgente à ajuda dos desabrigados pelo ciclone Nargis.

A organização defensora dos direitos humanos destacou que Ban Ki-moon, secretário-geral do organismo multilateral, e outros presentes da conferência ONU-Asean (Associação de Nações do Sudeste Asiático), que será realizada em Yangun, devem dar prioridade a essa questão e debater mais a frente outros aspectos relacionados com a reconstrução a longo prazo.

O secretário-geral da ONU deve visitar Mianmar na quinta-feira e sexta-feira, para avaliar a situação, e participará no domingo da reunião na capital birmanesa.

A organização lembrou em comunicado de imprensa que três semanas após a passagem do ciclone, "o bloqueio do Governo birmanês à ajuda impediu que uma grande maioria dos 2 milhões de afetados recebessem assistência".

A HRW disse temer que o Governo militar utilize a conferência "para desviar" a pressão internacional, que tenta convencer a Junta Militar a permitir o acesso imediato de ajuda às vítimas.

"O secretário-geral Ban Ki-moon e outros diplomatas não devem aparecer em Yangun com sorrisos e elogios, mas com reivindicações diretas aos generais de Mianmar para que permitam imediatamente um acesso total à ajuda", declarou Brad Adams, diretor para a Ásia da HRW.

A Junta Militar birmanesa designou na segunda-feira passada a Asean como a coordenadora oficial das operações humanitárias e disse que toda a ajuda deveria ser transferida por meio deste bloco regional.

A Asean é integrada por: Brunei, Camboja, Filipinas, Indonésia, Laos, Malásia, Cingapura, Tailândia e Vietnã, além de Mianmar.

O ciclone "Nargis" atravessou o sul de Mianmar entre 2 e 3 de maio e causou 77.738 mortos, enquanto 55.917 pessoas continuam desaparecidas e outras 2,5 milhões desabrigadas. EFE vm/fb

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.